Economia Negociações com professores: “Nunca aceitaremos nada que ponha em causa o equilíbrio financeiro”, avisa Governo

Negociações com professores: “Nunca aceitaremos nada que ponha em causa o equilíbrio financeiro”, avisa Governo

Nas prometidas reuniões com os sindicatos dos professores e quanto à possibilidade de o Governo vir a considerar o tempo em que a carreira ficou congelada, Maria Manuel Leitão Marques diz, em entrevista ao Negócios e à Antena 1, que a única promessa que o Executivo faz "é ouvir" e “procurar um entendimento”.
A carregar o vídeo ...

"Vamos ouvir e procurar um entendimento que seja viável no quadro de um equilíbrio financeiro". A poucas semanas de Governo e sindicatos dos professores retomarem as negociações sobre descongelamentos e progressões na carreira, tudo o que o Governo promete é que vão "trabalhar em conjunto".

 

Em entrevista ao Negócios e à Antena 1, a publicar na edição desta segunda-feira, 27 de Novembro, a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, assegura que nunca aceitarão uma medida – que aliás, sublinha, não atinge só os professores, mas também outras carreiras –, que "possa pôr em causa o equilíbrio orçamental com o qual nos comprometemos".

 

Na prática, prossegue a ministra, "não podemos fazer uma revisão, por muito justa que ela seja considerada por quem a defende, que ponha em causa esse equilíbrio". De resto, explica, no caso dos professores, o tempo que demoram a atingir o fim da carreira é quase o equivalente a um terço do tempo necessário para um funcionário público normal. "É bom ver também as diferenças que existem", lembra a ministra.

 

As negociações com os professores iniciam-se a 15 de Dezembro.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Epifania do Mês: "Se queremos investir mais na qualidade da educação, na qualidade do sistema de saúde e nos serviços públicos não podemos consumir todos os recursos disponíveis com quem trabalha no Estado" - António Costa (Tunísia, Novembro de 2017) www.jornaldenegocios.pt/economia/financas-publicas/orcamento-do-estado/detalhe/costa-nao-podemos-consumir-todos-os-recursos-com-quem-trabalha-no-estado-se-queremos-investir-na-educacao-e-saude

Marita Bastos Há 2 semanas

É FUNDAMENTAL COLOCAR O PAÍS EM 1º LUGAR!!!
CONCORDO COM ESTE POSICIONAMENTO!!!
Que o governo não se deixe embalar pela irresponsabilidade do PCP e BE.

Palermas tugas Há 2 semanas



Seus tugas privados palermas, nós socialistas vamos distribuir tudo pelos nossos eleitores favoritos OS FUNCIONARIOS PUBLICOS.

São eles que vão votar no PS.

pertinaz Há 2 semanas

QUE MAUZÕES...!!! SE PASSOS COELHO DISSESSE O MESMO...!!!

pub