Finanças Públicas Portugal reembolsa mais de 2,7 mil milhões ao FMI

Portugal reembolsa mais de 2,7 mil milhões ao FMI

O Ministério das Finanças revelou que fez mais um pagamento antecipado ao FMI esta quinta-feira, 16 de Novembro. No total, Portugal já pagou ao fundo 76% do total do empréstimo concedido.
Portugal reembolsa mais de 2,7 mil milhões ao FMI
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 17 de novembro de 2017 às 09:38
Portugal reembolsou o Fundo Monetário Internacional (FMI) em mais 2.780 milhões de euros esta quinta-feira, 17 de Novembro, revelou o Ministério das Finanças em comunicado. 

Portugal fez assim mais um pagamento antecipado ao FMI. Este valor vencia entre Junho de 2020 e Maio de 2021, revela o Ministério das Finanças.

"Com este pagamento, ficam liquidados 76% do empréstimo do FMI" realizado em 2011 no âmbito do resgate financeiro pedido por Portugal. Do bolo de 78 mil milhões de euros concedidos pela troika, 26,3 mil milhões foram emprestados pelo FMI.

O ministério liderado por Mário Centeno adianta que no total deste ano, foram feitos pagamentos antecipados ao FMI de 9.012 milhões de euros, "o valor máximo amortizado, em termos anuais, até à presente data", sublinha o comunicado.

A equipa liderada por Mário Centeno diz ainda que "o plano de amortizações antecipadas do FMI continuará a ser implementado em 2018", tal como já estava estipulado anteriormente.

 

Em Outubro, Portugal reembolsou antecipadamente o FMI em mil milhões de euros, tendo na altura sido dito que "no final deste ano estarão também garantidas cerca de 40% das necessidades brutas de financiamento de 2018", incluindo os 1.400 milhões de euros de pagamentos ao FMI que estão agendados para o próximo ano. O plano anterior do Governo passava por efectuar pagamentos de 5 mil milhões de euros ao FMI em 2018, valor que foi revisto em baixa devido aos reembolsos antecipados para o final deste ano.

 

"O reembolso antecipado ao FMI contribui decisivamente para a melhoria da sustentabilidade da dívida, reduzindo o custo desta e permitindo, simultaneamente, uma gestão dos pagamentos mais equilibrada e o aumento da maturidade média", acrescenta o comunicado emitido esta sexta-feira, 17 de Novembro.


(Notícia actualizada às 9:49 com mais informação)



pub