Segurança Social Presidente da Raríssimas demite-se e fala em "cabala muito bem feita"

Presidente da Raríssimas demite-se e fala em "cabala muito bem feita"

Em declarações prestadas ao Expresso, Paula Brito e Costa anunciou a sua demissão da presidência da Raríssimas e explicou que esta decisão resulta de uma "cabala muito bem feita".
Presidente da Raríssimas demite-se e fala em "cabala muito bem feita"
Negócios 12 de dezembro de 2017 às 15:36

Sob crescente pressão mediática, Paula Brito e Costa anunciou esta terça-feira, 12 de Dezembro, a demissão da Associação de Deficiências Mentais e Raras Raríssimas anunciou a sua demissão.

 

Em declarações ao jornal Expresso, Paula Brito e Costa diz que "a minha presença já está a afectar a instituição e tenho de sair. Esta é uma cabala muito bem feita".

 

"Deixo à Justiça o que é da Justiça, aos homens o que é dos homens e ao meu país uma das maiores obras, mas mesmo assim vou saio. Presa só estou às minhas convicções", acrescentou ao semanário que diz saber que Paula Brito e Costa estava em negociações com o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, com vista à concretização da sua demissão.

Paula Brito e Costa revela ter pedido ao ministro Vieira da Silva a "suspensão temporária de funções enquanto estivessem a decorrer as investigações, porque temos 300 meninos por dia na Raríssimas de quem é preciso cuidar". Porém, "esta opção foi estudada pelo gabinete, mas não existe a figura da suspensão temporária no quadro das IPSS e, portanto, saio", concluiu.

Esta manhã, a direcção da Delegação Centro da Raríssimas tinha solicitado ao presidente da mesa da Assembleia Geral da instituição, Paulo Olavo Cunha, a convocatória de uma assembleia-geral extraordinária para "deliberar sobre a destituição da presidente da direcção".

Continuam a fazer-se sentir as réplicas deste caso. Já esta tarde, Manuel Delgado abandonou o cargo de secretário de Estado da Saúde. Manuel Delgado foi consultor da Raríssimas entre 2013 e 2014, período ao longo do qual recebeu 63 mil euros.


O processo de sucessão é nesta altura uma incógnita, desde logo porque a instituição não tinha actualmente vice-presidente. Ricardo Baptista Leite, deputado do PSD, rejeitou ontem assumir a vice-presidência da IPSS devido a toda a polémica em torno da Raríssimas.

(Notícia actualizada às 15:50)




A sua opinião26
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado E a deputada do PS? 12.12.2017

A tal que viajou à conta? A tal que, "por acaso", é casada com o Ministro da Seg Social, que "por acaso" foi da direção da Rarissimas e que, também "por acaso", transfere milhões para esta organização todos os anos?

comentários mais recentes
Anónimo 13.12.2017

Que consequências vai ter este desvio de dinheiros públicos?O mesmo do Sócrates que não tem fim à vista.Como pode a justiça actuar se são governantes envolvidos no caso,(ex-Secretário do Estado da Saúde;Ministro do Emprego e Segurança Social,e outros).A credibilidade governamental é ZERO.

Mas ninguem e preso? 13.12.2017

Sera este o julgamento destas gentusas? Entao o Crime e bem compensado, neste antro de Ladroes. Cadê da justica meu Deus antao a Artista descobre a polvora, a conta da doenca do filho, e da logo o Golpe seculo com varios milhoes na conta do ze pagante. Tenham vergonha Ladroes .Cadê da justica?Prisao

Cavalas 13.12.2017

As cavalas é com os xu.xas. Esse pêxe rémoso

AA 12.12.2017

PORTUGAL É SÓ VIGARISTAS POR TODO O LADO.

ver mais comentários
pub