Orçamento do Estado PSD propõe limitar cativações a 1,5% da despesa e critica Governo

PSD propõe limitar cativações a 1,5% da despesa e critica Governo

O PSD vai propor, no Orçamento do Estado de 2018, limites para as cativações de verbas a 1,5% da despesa orçamentada e acusou o executivo do PS de usá-las como "instrumento de política orçamental".
PSD propõe limitar cativações a 1,5% da despesa e critica Governo
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 14 de novembro de 2017 às 18:19
O Governo socialista, afirmou a ex-ministra das Finanças e deputada do PSD, Maria Luís Albuquerque, numa conferência de imprensa, no parlamento, está a utilizar as cativações como "um instrumento de política orçamental" e não de "gestão orçamental". 

Os sociais-democratas querem criar uma "norma travão" para obrigar que "o total das cativações iniciais", incluindo as determinadas pela lei de execução orçamental, não pode exceder "nunca 1,5% da despesa efectiva orçamentada".

Numa das suas 75 propostas, o PSD prevê igualmente o fim do imposto Mortágua, o adicional do IMI criado para o orçamento deste ano, e propõe um "agravamento significativo", de 7,5% para 12,5%, da taxa de imposto no caso de imóveis detidos por sociedades sediadas em 'offshore'.

O prazo para a entrega de propostas de alteração ao OE2018 termina na sexta-feira e o debate na especialidade está previsto para a próxima semana, de 22 a 24 de Novembro.

No capítulo das medidas de apoio ao interior, o PSD acusa o Governo de cortar nas verbas de inspeção e fiscalização ambiental e "concentrar investimento público nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto", para a construção do Metro e do programa Pólis da Caparica.

"São opções incompreensíveis, particularmente no ano em que o país assistiu a dramáticas tragédias no interior do país", como os incêndios, e que os sociais-democratas se propõem mudar no orçamento do próximo ano.

Para asa regiões do interior, o PSD propõe, nomeadamente, a isenção, durante um ano, de contribuições para a segurança social de empresas afetadas pelos incêndios, se tiverem perdas de 25% dos seus ativos e isenções do pagamento do IMI.

O PSD tem poucas expectativas na aprovação das suas propostas, por parte da maioria de esquerda, face ao histórico de "chumbo" noutros anos e noutros orçamentos.

A votação final do orçamento está agendada para 27 de Novembro.



A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 dias

Marilu, vai dar cursos de formação para a Tecnoforma e deixa-te de bitaites parolos...

comentários mais recentes
pertinaz Há 4 dias

A ESCUMALHA QUE NOS DESGOVERNA MARTELA AS CONTAS DO ESTADO DESAVERGONHADAMENTE...!!!

Neves Há 4 dias

Parece-me ridículo, as cativações são praticadas em todo o mundo e obviamente que são um instrumento orçamental, anedótico

Flop Há 4 dias

flop total

Anónimo Há 4 dias

O PSD só faz upgrade em Janeiro com o Rio ou o Santana. Até lá ficam as postas de pescada da Maria.

ver mais comentários
pub