Empresas Canadianos abandonam ouro do Alentejo

Canadianos abandonam ouro do Alentejo

Os responsáveis da canadiana Colt Resources, que tinha assinado em 2011 com o Governo português contratos para extrair ouro no Alentejo, deixaram de pagar aos trabalhadores e desapareceram. “Sem interlocutor”, Estado extingue a relação contratual.
Canadianos abandonam ouro do Alentejo
A canadiana Colt Resources, que tinha assinado com o Estado português, no final de 2012, contratos para a prospecção de ouro no Alentejo, está em processo de liquidação.
Bloomberg
Rui Neves 08 de outubro de 2017 às 22:00
Garantiram que só a zona de Boa-Fé, no concelho de Évora, poderia conter oito milhões de onças de ouro, mas acabaram por abandonar as prospecções e os trabalhadores, a quem a concessionária ficou a dever vários meses de salários. "Em Janeiro de 2017, os requerentes perderam todo o contacto que tinham com os gerentes e responsáveis da requerida", lê-se na petição inicial da insolvência da Eurocolt Resources, subsidiária em Portugal da canadiana Colt Resources.

O Negócios também tentou contactar, sem sucesso, nas últimas duas semanas, o presidente da Colt Resources, Nikolas Perrault, e Jorge Valente, que foi CEO da Eurocolt nos últimos anos. Acontece que o grupo canadiano, incluindo todas as suas sociedades-veículo, entrou em processo de liquidação, tendo a negociação nas bolsas de Toronto e de Frankfurt, onde estavam cotadas, sido suspensa.

No documento entregue no Juízo de Comércio de Sintra, os trabalhadores que requereram a insolvência da Eurocolt afiançam que deixaram de receber ordenado em Maio de 2016, mas que continuaram "a desempenhar as suas funções" nos meses seguintes. "Os gerentes da requerida prometiam que iam pagar os salários em atraso e manter os postos de trabalho, justificando a falta de pagamento pelo motivo de estarem a aguardar financiamentos do estrangeiro, que nunca chegaram a entrar nas contas da requerida", garantem.

Foi a 2 de Novembro de 2011 que a Colt assinou os contratos com o Governo português para avançar com a exploração experimental de ouro nas freguesias de Nossa Senhora da Boa-Fé, em Évora, e Santiago do Escoural, no concelho de Montemor-o-Novo. "Se tudo der certo, ao fim do terceiro ano já temos a mina aberta para começar, então, a produção normal, uma produção industrial", assegurava, na altura, Jorge Valente, estimando que só a zona da Boa-Fé poderia conter oito milhões de onças de ouro.

Seis meses depois, Nikolas Perrault avançava que a extracção de ouro no Alentejo poderia arrancar em 2014, com a empresa a garantir, em comunicado, que os resultados das perfurações na Boa-Fé evidenciavam "graus impressionantes" daquele metal precioso, "perto da superfície".

O então CEO da Colt, frisando que o projecto estava "a exceder as expectativas", garantia que a empresa estava "cada vez mais confiante" de que era "viável" a exploração de ouro no Alentejo. Por alturas do Natal de 2012, o mesmo Perrault congratulava-se com os resultados finais da avaliação às prospecções na jazida aurífera de Monfurado, situada na zona concessionada para exploração de ouro em Montemor-o-Novo.

Desde então que nunca mais se ouviu falar das explorações da Colt em Portugal. Até que, em Junho passado, um conjunto de trabalhadores da Eurocolt requereu a insolvência da empresa, não reconhecendo "à requerida património suficiente para pagamento das dívidas existentes, bem como qual o seu exacto activo e passivo".

Contactado o Ministério da Economia, o gabinete de Caldeira Cabral confirmou que "a actividade da empresa em Portugal ficou completamente suspensa deixando de existir qualquer interlocutor e, por conseguinte, sem continuação dos trabalhos contratualizados com o Estado português". Assim, "neste momento encontra-se a decorrer na Direcção Geral de Energia e Geologia o respectivo procedimento de extinção dos diversos contratos", adiantou a mesma fonte.


Cronologia

Sem ouro, deixou dívidas

Os canadianos da Colt Resources garantiam que havia "graus impressionantes" de ouro no Alentejo. Nada feito. E abandonaram Portugal com salários por pagar. 

25.10.2011

Álvaro anuncia concessão de ouro
No Parlamento, a 25 de Outubro de 2011, o então ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, anunciava a assinatura de um novo contrato de concessão de ouro no Alentejo, a formalizar "na próxima semana", sem especificar qual a empresa envolvida.

02.11.2011
Colt resources assina contratos
A canadiana Colt Resources assinou com o Governo português, a 2 de Novembro de 2011, os contratos para a prospecção de um filão de ouro em Évora e Montemor-o-Novo. A empresa garantia que só a zona de Boa-Fé poderia conter oito milhões de onças de ouro.

05.06.2017
Colt em liquidação, pessoal sem salários
Desde 2012 que não se ouvia falar da actividade da Colt no Alentejo, até que, em Junho deste ano, os seus trabalhadores, alegando dívidas salariais e ausência dos gestores, requereram a insolvência da empresa. O grupo canadiano está em liquidação. O Estado português  vai extinguir os contratos.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 10.10.2017

Fica a saber-se. O anónimo que comenta, utilizando o Pirata das Caraíbas e, os amigos de Cavaco que compraram Ferraris que, dados os conhecimentos que explana, deve merecer o maior "respeito". Pertence concerteza à classe "culta" invasora no tal Abril, responsável por transformar, em meia dúzia de anos um País rico, num pedinte, dada a "modernização" e alfabetismo de que a Pátria carecia. Gastaram-se elevadíssimas reservas de tesouraria e ouro, existentes, mas valeu a pena. Hoje, instruídos e, embora dos maiores devedores do Mundo, possuímos montes de gente "culta", como o comentador referido, bem preparados para responder a quaisquer crises que nos assolem!!!

alcpf 10.10.2017

"Anónimo Há 2 horas" tu não sabes o que falas...

Anónimo 10.10.2017

O que vale é que o único SALAZAR que tem graça é o do filme do Pirata das Caraíbas... já o otário que vem para aqui GRITAR podia saber que uma parte desse ouro era dos judeus que foram mortos pelos amigos Nazis. Além disso os amigos do Cavaco compraram muitos Ferraris e isso paga-se...

SALAZAR 10.10.2017

OURO HAVIA MUITO NO BANCO DE PORTUGAL. TÍNHAMOS DAS MAIORES RESERVAS DE OURO. MAS O GANGUE DO 25 DE ABRIL, LIDERADO PELO SOARES, ALMEIDA SANTOS E OUTROS QUE TAIS, DERAM UM GOLPE DE TAL ORDEM QUE HOJE SÃO MENOS DE METADE DO QUE ERAM. DEMOCRACIA À PORTUGUESA OU, DITO DE OUTRA FORMA, LADROAGEM.

ver mais comentários
pub