Bolsa Credit Suisse comprou 2,58% dos CTT

Credit Suisse comprou 2,58% dos CTT

O Credit Suisse passou a ter uma posição qualificada no capital dos CTT, depois de ter comprado acções e instrumentos financeiros. No total, é imputado ao banco mais de 2,5% do capital dos correios.
Credit Suisse comprou 2,58% dos CTT
Sara Antunes 16 de novembro de 2017 às 18:23
O Credit Suisse comprou acções e instrumentos financeiros no montante total de 3,86 milhões de títulos, ou 2,58% do capital dos CTT, revelou a empresa liderada por Francisco Lacerda em comunicado emitido para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O comunicado revela que a posição foi ultrapassada no dia 10 de Novembro. Tendo em consideração o preço de fecho das acções no dia 10 (3,22 euros), o investimento associado à compra destas acções ascende a 12,4 milhões de euros. 

O Credit Suisse junta-se assim aos italianos da Kairos, que no dia 10 de Novembro anunciaram que entraram no capital dos CTT com uma posição qualificada de 2,05%.

Estes investidores estarão a aproveitar as quedas recentes dos CTT, depois de apresentarem os seus resultados dos primeiros nove meses do ano, onde reviram em baixa as dias previsões e cortaram o dividendo que vão passar a pagar aos seus accionistas em 10 cêntimos para 38 cêntimos.

 

Estes anúncios levaram as acções a registar fortes quedas, tocando em níveis nunca antes vistos, e a revisões das avaliações por parte de várias casas de investimento. O CaixaBI, na altura, disse ser razoável antecipar uma "enorme mudança na estrutura accionista" da instituição, tendo em conta os actuais preços no mercado, o elevado capital disponível em bolsa para negociação e o potencial de desenvolvimento noutras áreas de negócio (Banco CTT).

(Correcção: Inicialmente era referido que o Credit Suisse comprou 150 milhões de acções, quando se trata de 3,86 milhões)




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pedro Há 3 semanas

Uma jornalista de um jornal económico...sinceramente como é que alguém se presta a isto?

Saber mais e Alertas
pub