Empresas Novo Banco arrisca perder 34 milhões nos cogumelos apadrinhados por Marcelo

Novo Banco arrisca perder 34 milhões nos cogumelos apadrinhados por Marcelo

O herdeiro do falido BES, que se desfez há um ano dos 39,1% que tinha no capital do grupo Sousacamp, detém 57% dos 60 milhões de euros de créditos reconhecidos no Processo Especial de Revitalização (PER) do maior produtor europeu de cogumelos.
Novo Banco arrisca perder 34 milhões nos cogumelos apadrinhados por Marcelo
Marcelo Rebelo de Sousa utilizou cogumelos para falar de estabilidade política, numa visita à Sousacamp, no Verão do ano passado. A empresa é liderada por Artur Sousa (à direita na foto).
José Coelho/Lusa
Rui Neves 28 de dezembro de 2017 às 15:00

A salvação da Sousacamp, que se apresenta como o maior produtor europeu de cogumelos e um dos maiores do mundo, com sete fábricas na Península Ibérica e mais de 500 trabalhadores, está nas mãos do Novo Banco, o maior credor do grupo transmontano.

 

O banco herdeiro do falido BES lidera a lista de 74 credores, com 34,1 milhões dos 59,9 milhões de euros de créditos reconhecidos em sede do Processo Especial de Revitalização (PER) da Varandas de Sousa, principal empresa do grupo Sousacamp.

 

Ao deter 57% do total de créditos, é ao Novo Banco que cabe decidir sobre a continuidade ou não desta empresa sedeada em Vila flor, que tem acumulado prejuízos nos últimos anos, tendo fechado 2016 com vendas de 18,8 milhões de euros e um resultado negativo de nove milhões.

 

Está agora a decorrer o prazo de cinco dias úteis para a impugnação da lista provisória de créditos da Varandas de Sousa, que foi publicada no portal Citius na passada terça-feira, 26 de Dezembro.

 

Caso não haja impugnações, a empresa, que tem como administrador de insolvência Bruno Costa Pereira, entrará em negociações com os credores, sobretudo com o Novo Banco, para conseguir firmar um plano de recuperação.

 

O segundo maior credor da Varandas de Sousa é a Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, com 7,6 milhões de euros, a que acresce 8,3 milhões reclamados por um conjunto de três Caixas de Crédito Agrícola regionais (a de Trás-os-Montes e Alto Douro, a do Alto Douro e a do Noroeste).

 

Seguem-se três entidades estatais - o Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP), que reclama a devolução de 4,4 milhões de euros de apoios financeiros, o Fisco, que tem a haver mais de 2,4 milhões de euros, e a Segurança Social, que viu ser-lhe reconhecidos créditos no montante de 881 mil euros.

 

Queda do BES deixou a meio a construção de um "elefante branco" em Vila Real

 

"A principal razão apontada para a apresentação do PER tem que ver com a queda do BES, que até então [Verão de 2014] estava a financiar a construção da gigantesca unidade de produção de cogumelos, cuja obra, onde foram já investidos cerca de 20 milhões de euros, ficou a meio", explicou ao Negócios fonte conhecedora do processo.

 

Foi em 2013 que, após ter investido 50 milhões de euros na abertura de cinco fábricas em Portugal (em Vila flor, Mirandela, Paredes, Sabrosa e Vila Real) e na aquisição de duas em Espanha, o grupo Sousacamp arrancou com a construção de uma unidade de produção de cogumelos exóticos e outra de transformação de cogumelos em conserva (em lata e congelados), num investimento orçado em 45 milhões de euros e que iria criar cerca de 200 postos de trabalho.

 

"Será um dos maiores complexos do mundo no sector", afiançava Artur Sousa (que tem 60,9% do capital da empresa), em Outubro desse ano, numa publicação patrocinada pela Espírito Santo Ventures (ES Ventures), que detinha 39,1% na Sousacamp SGPS, "holding" detentora de 100% da Varandas de Sousa.

 

Apontada diversas vezes como um "case study", a Sousacamp vinha acumulando prémios e distinções. Por exemplo, ganhou o 1.º Prémio Nacional de Jovem Empreendedor (1990) e o Prémio Nacional de Inovação Ambiental (2001) pelo European Environmental Press e pela revista "Indústria e Ambiente".

 

O Novo Banco, herdeiro do falido BES, cortou o financiamento à Sousacamp e vendeu, há pouco mais de um ano, os fundos de capital de risco ES Ventures, que passaram a ser geridos pela Armilar Venture Partners, que são controlados pela sua equipa de gestão e cuja sociedade é detida em 35% pela Sonae IM. O grupo maiato detém uma participação, directa e indirectamente, de 50,7% do fundo que integra os 39,1% na Sousacamp.

 

A Sousacamp teve o seu momento mais mediático a 5 de Julho do ano passado, aquando da visita do Presidente da República à fábrica de Vila Flor, onde utilizou cogumelos para falar de estabilidade política.

 

"É o chamado duplo cogumelo, cogumelo gigante, presidencial, isto é o cogumelo presidencial com este tamanho. Não, tem de ser, este é o Presidente da República e este é o Governo que é mais pequenino. Solidariedade institucional, o Presidente para aguentar o Governo por uns tempos", brincou Marcelo Rebelo de Sousa, enquanto olhava para os dois fungos na mão, que acabou por comer.




pub