Empresas Novo Banco deixa cair cogumelos apadrinhados por Marcelo

Novo Banco deixa cair cogumelos apadrinhados por Marcelo

O grupo Sousacamp, o maior produtor nacional de cogumelos, aderiu ao PER para fugir à falência. Antigo accionista, o Novo Banco é credor de “algumas dezenas de milhões de euros”. A queda do BES deixou a meio a construção de um “elefante branco” em Vila Real.
Novo Banco deixa cair cogumelos apadrinhados por Marcelo
Marcelo Rebelo de Sousa utilizou cogumelos para falar de estabilidade política, numa visita à Sousacamp, no Verão do ano passado. A empresa é liderada por Artur Sousa (à direita na foto).
José Coelho/Lusa
Rui Neves 11 de dezembro de 2017 às 22:00
"É o chamado duplo cogumelo, cogumelo gigante, presidencial, isto é o cogumelo presidencial com este tamanho. Não, tem de ser, este é o Presidente da República e este é o Governo que é mais pequenino. Solidariedade institucional, o Presidente para aguentar o Governo por uns tempos", brincou Marcelo Rebelo de Sousa, enquanto olhava para os dois fungos na mão, que acabou por provar.

A mais conhecida metáfora sobre estabilidade política proferida pelo actual Chefe de Estado aconteceu a 5 de Julho do ano passado, aquando da sua visita à fábrica da Sousacamp, em Vila Flor, em Trás-os-Montes. Na altura, o grupo liderado por Artur Sousa continuava a apresentar-se como o maior produtor europeu de cogumelos e um dos maiores do mundo, com cinco fábricas em Portugal e duas em Espanha, empregando mais de 500 pessoas.

É todo este universo empresarial que está agora em risco de falência, com a principal empresa do grupo, a Varandas de Sousa, a recorrer ao Processo Especial de Revitalização (PER). "Está fácil de ver que a empresa precisa de sanear o seu passivo", garantiu ao Negócios fonte conhecedora do processo. O prazo para a reclamação de créditos só termina no dia 19, mas é certo que o Novo Banco, herdeiro do BES, antigo grande accionista e maior financiador da Sousacamp, é credor de "algumas dezenas de milhões de euros" e dono do destino do grupo.

"A principal razão apontada para a apresentação do PER tem que ver com a queda do BES, que até então [Verão de 2014] estava a financiar a construção da gigantesca unidade de produção de cogumelos, cuja obra, onde foram já investidos cerca de 20 milhões de euros, ficou a meio", explicou a mesma fonte próxima do processo.
Depois de ter investido 50 milhões de euros – tanto quanto dizia facturar – na abertura de fábricas em Portugal e Espanha, o grupo arrancou em 2013 com a construção de uma unidade de produção de cogumelos exóticos e outra de transformação de cogumelos em conserva (em lata e congelados), em Vila Real, num investimento orçado em 45 milhões de euros e que iria criar 200 postos de trabalho.

"Será um dos maiores complexos do mundo no sector", afiançava Artur Sousa (que tem 60,9% do capital), em Outubro desse ano, numa publicação patrocinada pela Espírito Santo Ventures (ES Ventures), que detinha 39,1% na Sousacamp SGPS, "holding" detentora de 100% da Varandas de Sousa.

Apontada diversas vezes como um "case study", a Sousacamp vinha acumulando prémios e distinções. Por exemplo, ganhou o 1.º Prémio Nacional de Jovem Empreendedor (1990) e o Prémio Nacional de Inovação Ambiental (2001) pelo European Environmental Press e pela revista "Indústria e Ambiente".

O Novo Banco, herdeiro do falido BES, cortou o financiamento à Sousacamp e vendeu, há pouco mais de um ano, os fundos de capital de risco ES Ventures, que passaram a ser geridos pela Armilar Venture Partners, que são controlados pela sua equipa de gestão e cuja sociedade é detida em 35% pela Sonae IM. O grupo maiato detém uma participação, directa e indirectamente, de 50,7% do fundo que integra os 39,1% na Sousacamp.

A Varandas de Sousa fechou o ano de 2016 com vendas de 18,8 milhões de euros e um resultado negativo de nove milhões de euros, agravando substancialmente os prejuízos registados nos anos anteriores.

O Negócios contactou a Sousacamp, o Novo Banco, a Armilar e o administrador de insolvência, mas nenhum dos intervenientes neste processo se mostrou disponível para fazer declarações em "on".

Números

Fungos acumulam prejuízos

O braço "produtivo" da Sousacamp, a Varandas de Sousa, que aderiu ao PER,  tem acumulado prejuízos ano após ano – só no último exercício perdeu nove milhões de euros.

7
Fábricas
A Sousacamp tem sete fábricas, cinco em Portugal e duas em Espanha, e em 2015 terá facturado cerca de 50 milhões de euros.

550
Trabalhadores
Há um ano, o presidente do grupo garantia que a Sousacamp tinha mais de meio milhar de trabalhadores.

45
"Elefante branco"
Com a queda do BES, parou as obras de construção de uma fábrica gigante em Vila Real, orçada em 45 milhões de euros.



sousacamp

Artur, o "rei" dos cogumelos de Benlhevai

Artur Sousa preside à Sousacamp, com sede em Benlhevai, que tem menos residentes do que o número de trabalhadores do grupo.

Criação em 1989 após despertar holandês
Artur Sousa, filho de produtores de azeite e cortiça de Vila Flor, distrito de Bragança, trocou o curso de Engenharia Electrotécnica, no Porto, pelo de Microbiologia, em Eindhoven, onde despertou para algo praticamente inexistente em Portugal: a produção de cogumelos. Voltou para Benlhevai e investiu 25 mil contos (125 mil euros) na criação da Sousacamp.

Sete fábricas em Portugal e Espanha
A meio da primeira década do novo século, o crescimento da produtora de cogumelos determina a expansão fabril para outras geografias, concretamente para Mirandela, Paredes, Sabrosa e Vila Real. Depois, adquiriu duas unidades em Espanha. Apresenta-se como o maior produtor europeu de cogumelos e um dos maiores do mundo, com uma facturação de 50 milhões de euros e mais de 500 trabalhadores.

Falência do BES quebra a Sousacamp
A falência do BES, no Verão de 2014, marca o início da queda da Sousacamp. O Novo Banco "fecha a torneira" ao grupo de que também era accionista, com a sua capital de risco ES ventures a deter 39,1% do capital.

Milhões perdidos, PER à porta
A acumular prejuízos e depois de ter parado a meio, sem financiamento, o investimento de 45 milhões de euros na construção de um complexo gigante em Vila Real, a Varandas de Sousa, principal empresa da Sousacamp, adere ao PER. O Novo Banco vendeu entretanto a sua capital de risco a fundos da Armilar. 




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 6 dias

A economia portuguesa, subjugada às vontades de revolucionárias mentalidades reinantes presas a um passado tão longínquo que parece o de outro mundo e ao peculiar sistema político-legal em vigor que dali resultou, frontalmente anti-mercado, delirantemente marxista, obtusamente proteccionista, irresponsavelmente keynesiano, convenientemente neoludita e criminosamente corrupto, não consegue criar condições para atrair o melhor e mais adequado talento e capital disponível a cada momento no mercado de factores externo, nem tão pouco fixar o que cá vai sendo gerado. Os custos desta ignóbil imprudência, assente na extracção de valor e avessa à criação daquele, são sobejamente conhecidos. observador.pt/2017/11/02/economia-portuguesa-esta-presa-por-quatro-grandes-arames/

comentários mais recentes
Com seu (pseudo) a vontade Marcelo Há 2 dias

tenta diplomaticamente assumir que sem ele nada anda, nada se faz. Este papel que nada tem de inocente nem de patriota, prende-se apenas em reerguer o seu apaixonado psd. É este o motivo de tanto frenesi e rasteiras baixas ao governo, é triste que um pr. se preste a tal papel, mas é a politica dele

semcrer Há 6 dias

Mas o que é que este caso de maus investimentos (privados) em fábricas de cogumelos poderá ter a ver com o texto 'colado' pelo Anónimo do excedendarismo ???

Fico perplexo como o JN não exerce moderação e deixa este indivíduo poluir tudo o que é artigo com os 'seus' escritos encomendados!!!

"A economia portuguesa, subjugada às vontades de revolucionárias mentalidades reinantes presas a um passado tão longínquo que parece o de outro mundo e ao peculiar sistema político-legal em vigor que dali resultou, frontalmente anti-mercado, delirantemente marxista, obtusamente proteccionista, irresponsavelmente keynesiano, convenientemente neoludita e criminosamente corrupto, não consegue criar condições para atrair o melhor e mais adequado talento e capital disponível a cada momento no mercado de factores externo, nem tão pouco fixar o que cá vai sendo gerado. Os custos desta ignóbil imprudência, assente na extracção de valor e avessa à criação daquele,... "

GATO ESCALDADO Há 6 dias

Não era o prof Marcelo que nas suas prédicas dominicais apadrinhava para o BES uma solução com um CONSELHO GERAL composto por membros da família Espírito Santo e presidido pelo Ricardo Salgado ?

O BN não precisa de ter memória de elefante !

jonebegood Há 6 dias

o problema deste e de outros negócios é que tem mais olhos do que barriga é fábrica aqui,acolá e depois dá nisto
depois estão sempre com os créditos atrás deles há qualquer coisa que corra mal prontos tá tudo falido porque não há dinheiro para pagar.....

ver mais comentários
pub