Empresas Peter Villax: é preferível ter investimento chinês do que de "oligarcas russos"

Peter Villax: é preferível ter investimento chinês do que de "oligarcas russos"

O presidente da Hovione Capital e da Associação de Empresas Familiares diz que a China não é um Estado de direito mas sim um Estado de partido.
A carregar o vídeo ...
Celso Filipe Rosário Lira 02 de julho de 2017 às 12:00

Peter Villax diz que o Governo chinês é "forte e competente" e que, também por essa razão, Portugal dever receber o investimento daquels país de braços abertos.

 

É preferível ter investimentos "virtuosos" de chineses do que de "oligarcas russos" afirma o empresário, presidente da Hovione Capital, na Conversa Capital, entrevista conjunta do Negócios e da Antena 1.

 

"A China não é um Estado de direito, é um estado do partido. A China é um país de cultura de Confúcio, nós na somos – na Europa - de cultura judaico-cristã. Na China, o poder é essencialmente virtuoso, quer dizer que a oposição é maldosa. Portanto não podemos ter na China o modelo de governo e oposição que existe nos países ocidentais" sublinha o também presidente da Associação de Empresas Familiares.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

As pessoas precisam de um Estado que seja bom gestor da coisa pública e pessoa de bem. Um Estado que faça boa gestão de recursos humanos despedindo onde e quando é preciso e que saiba investir em bens de capital onde e quando é necessário. Isto é o que Portugal não tem. Isto é o que falta às pessoas. O radicalismo sindical é tão nocivo como o corrupto capitalismo selvagem de compadrio. Quer uns quer outros atiram a coisa pública para os braços dos aproveitadores sem escrúpulos, para os bandidos e para os incompetentes.

comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

VENHAM CHINESES E MUITOS...!!!

Anónimo Há 2 semanas

se os chineses continuam a investir como eles fazem cà no burgo isto dentro de alguns anos serà um pagode chinês ... entre a entrada de milhares de chineses clandestinos que foram regularizados os vistos gold mais as compras de empresas estratégicas... bancos... seguros etc...seremos uma colonia

Anónimo Há 2 semanas

Portugal precisa de investidores. Para isso necessita de flexibilizar as regras laborais e dinamizar o mercado de capitais doméstico. Depois, mais tarde, poderá vir a ter investidores activistas. A economia portuguesa insiste em ficar atascada na idade da pedra promovida por sindicatos e mais lóbis.

Anónimo Há 2 semanas

As pessoas precisam de um Estado que seja bom gestor da coisa pública e pessoa de bem. Um Estado que faça boa gestão de recursos humanos despedindo onde e quando é preciso e que saiba investir em bens de capital onde e quando é necessário. Isto é o que Portugal não tem. Isto é o que falta às pessoas. O radicalismo sindical é tão nocivo como o corrupto capitalismo selvagem de compadrio. Quer uns quer outros atiram a coisa pública para os braços dos aproveitadores sem escrúpulos, para os bandidos e para os incompetentes.

pub
pub
pub
pub