Tecnologias WikiLeaks: Apple, Samsung e Microsoft reagem aos documentos da CIA

WikiLeaks: Apple, Samsung e Microsoft reagem aos documentos da CIA

Documentos vazados pela rede apontam que a agência de espionagem norte-americana consegue fazer escutas através de telemóveis e de televisões, assim como atacar computadores à distância.
WikiLeaks: Apple, Samsung e Microsoft reagem aos documentos da CIA
Reuters
André Cabrita-Mendes 08 de março de 2017 às 10:27
Algumas das maiores empresas tecnológicas do mundo reagiram às revelações sobre a CIA feitas pelo WikiLeaks. A rede de divulgação de informações secretas publicou milhares de documentos que revelam as técnicas que a agência de espionagem norte-americana utiliza para fazer escutas através dos microfones dos telemóveis e das televisões inteligentes, e para atacar computadores. A CIA não fez comentários sobre a autenticidade dos documentos.

Em reacção, a Apple disse que "trabalha constantemente" para aumentar a segurança dos iPhones e que muitas das vulnerabilidades identificadas nos documentos já foram resolvidas na última versão do sistema operativo Ios. A marca norte-americana aconselha também os seus clientes a descarregarem a versão mais actualizada do Ios, disse citada pela BBC esta quarta-feira, 8 de Março.

Já a Google recusou comentar as alegações que a CIA era capaz de "penetrar, infestar e controlar" telemóveis que usam o sistema operativo Android.

Nos mais de 8.700 documentos vazados - conhecido por "Vault 7" - também surge informação sobre como é que a CIA consegue fazer escutas através dos televisores inteligentes da Samsung, série F8000.

Os documentos relatam que a CIA consegue "infestar" estas televisões e programá-las para ficarem aparentemente desligadas, em modo "Fake Off". Desta forma, as televisões servem de escuta, gravando as conversas que estão a decorrer na sala, e enviando-as via internet para um servidor da CIA, relata o Guardian.

Em resposta, a companhia sul-coreana disse que "proteger a privacidade dos consumidores" é uma "prioridade na Samsung", que diz estar a "olhar urgentemente para a matéria".

Os documentos também indicam que a CIA criou software malicioso para atacar computadores que usem o sistema operativo Microsoft Windows. "Estamos conscientes do relatório e estamos a olhar para ele", disse um porta-voz da Microsoft citado pela BBC.

A Fundação Linux, por seu turno, não reagiu às alegações que a CIA criou sistemas de "controlo e ataque" com o poder de atacar computadores que funcionam à base de software Linux.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

As empresas europeias com produtos cloud será que estão com os seus dados seguros?

comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

NÃO ADMIRA QUE A APPLE LANÇASSE VERSÕES DO IOS QUASE TODAS AS SEMANAS... ARRE!

Anónimo Há 2 semanas

Criminosos corruptos da globalização desregulada mãos os prendem...

Anónimo Há 2 semanas

As empresas europeias com produtos cloud será que estão com os seus dados seguros?

Rado Há 2 semanas

Bravo, CIA!

pub
pub
pub
pub