Mercados Hugo O'Neill: "Esta bolha é pior do que 2008. E pode rebentar hoje"

Hugo O'Neill: "Esta bolha é pior do que 2008. E pode rebentar hoje"

O Negócios foi ouvir a história da pessoa que há mais tempo exerce a profissão de consultor de investimento em Portugal. A experiência de Hugo O’Neill leva-o a afirmar com certeza que o colapso dos mercados está para breve. O “trader” contou as suas vitórias e falhanços e ainda teve tempo para deixar umas dicas de investimento.
Hugo O'Neill: "Esta bolha é pior do que 2008. E pode rebentar hoje"
Miguel Baltazar
Mariana Adam 19 de julho de 2017 às 07:00

Hugo O’Neill foi o primeiro português a  receber autorização da CMVM para trabalhar como consultor de investimento.  Há 30 anos que o seu dia a dia são os mercados.

Quais as grandes diferenças de trabalhar como "trader" há 30 anos e hoje? Nos últimos anos as mudanças tecnológicas foram disruptivas?
As principais mudanças sob o ponto de vista técnico consistiram no surgimento e desenvolvimento do mercado de derivados e a globalização dos mercados financeiros dando origem, primeiro nos EUA e depois no resto do mundo, a uma "economia financeira" aplicando no mercado de capitais o produto de dívida emitida pelo sector financeiro.


Criámos  um gigante mercado de dívida?
Este movimento foi criando bolhas especulativas tendo em 2000 rebentado a mais especulativa de todas, a chamada bolha das "dot.com" cujo efeito devastador foi atenuado pelo surgimento da bolha do sector imobiliário, cujo rebentamento deu finalmente origem à crise de 2008, resultante do endividamento excessivo do sector financeiro.
As consequências desta crise global foram parcialmente sustidas por medidas de injecção de liquidez no sistema numa acção convergente dos principais governos e bancos centrais e deveria ter sido seguida, mas não foi, por um plano a longo prazo com o objectivo de eliminar o excesso de endividamento.

Os excessos da dívida pública e privada são hoje bem mais críticos que os de 2008 e os instrumentos para controlar a situação bem mais escassos. Em consequência aumenta o desvio entre o crescimento do mercado financeiro e o da economia real, devido ao excesso de investimento no primeiro e ao défice no segundo.


Está a dizer que estamos pior que em 2008?
Sim. Se analisarmos um gráfico de crescimento da dívida americana a partir dos anos 80 parece os Alpes!  A atitude paternalista do Governo e da Reserva Federal perante as várias crises levou os gestores e investidores do sector financeiro a acreditar que os decisores políticos e os reguladores da actividade bancária adoptariam idêntica orientação em futuras situações, levando-os a reforçar a componente de risco, emitindo dívida cujo produto aplicavam em investimentos especulativos nos mercados de capitais.  Esta orientação não mais parou levando a um aumento em exponencial do endividamento do sector financeiro, às sucessivas bolhas especulativas com as consequências que agora se conhecem.
Acresce que o peso dos depósitos nos balanços dos bancos dos EUA decresceu muito, o que aumenta consideravelmente o risco.


Está a falar de uma bolha gigantesca!
Sim! Não foram tomadas medidas estruturais visando a redução global do endividamento. Houve sempre uma visão de curto prazo, inerente da democracia que encurta o espaço de acção a quatro anos, os ciclos eleitorais. Basta pensar que a dívida total dos EUA incluindo a dívida não titulada envolvendo compromissos do Governo à segurança social ascende a entre 120 a 130 biliões de dólares. É impossível de resolver! O PIB anual, mesmo sendo optimista, é de 16 a 17 biliões.


A bolha vai rebentar? Quando?
Não se sabe. Tanto pode ser amanhã ou em breve. Há mil razões para isto estoirar: a crise no Qatar com o Médio Oriente, a volatilidade das relações externas de Trump, o descrédito em relação à politica económica de Trump, por exemplo.  É uma bolha gigante que envolve uma sobrevalorização do mercado de acções americano. O índice S&P500 apresenta neste momento um rácio (CAPE) de 30 vezes, ou seja, o valor do índice é cerca de 30 vezes o resultado médio por acção ajustado pela inflação, o que corresponde a um desvio de cerca de 80% acima da média. Quando rebentar, será tanto para as empresas boas como para as más. Só se safa quem esteja em activos que possa mobilizar de forma independente.

Tais como?
As moedas virtuais que fogem de tal maneira aos governos e podem servir de refúgio, é arriscado, mas é um caminho. Mais seguro é fazer aplicações em ouro, em economia real: imobiliária, agricultura. África é uma oportunidade fantástica. Vai haver um "back to basics". 

perfil

O primeiro "trader"

Foi a primeira pessoa a registar-se como consultor para o investimento na CMVM. Trabalha há 30 anos na área e recebeu o Negócios no seu escritório com vista para o jardim, onde há livros actuais e antigos em todos os cantos, junto com dosséis, e meia dúzia de fotografias (uma das quais à conversa com Francisco Sá Carneiro e Cavaco Silva).

O diploma de "honoris causa" está lá, quase escondido, o reflexo de uma humildade que se sente em cada palavra, mas que se quase choca com tanta experiência, sabedoria e ponderação.

As histórias e episódios que Hugo O’Neill tem para contar não cabem em duas páginas de jornal. Para ler a entrevista na integra clique aqui.

Como geria hoje uma carteira de 500 mil euros?

Como é hoje o seu dia de trabalho como consultor?
Actualmente sou consultor de um reduzido número de clientes particulares e de dois clientes institucionais estrangeiros. Tenho um modelo de avaliação dos factores críticos que influenciam os mercados que actualizo diariamente com o objectivo de encontrar sinais de alerta para uma convulsão que me parece ser inevitável, mas cujo desfecho é difícil de prever. Para tal recorro a fontes como as estatísticas Z1 do Federal Reserve Bank, BIS para uma análise global do sector financeiro, FMI, BCE e Eurostat e a gabinetes privados internacionais de análise fina.

O diferencia um bom "trader"  dos outros?
Os consultores são pessoas que aprendem uma profissão. Os melhores são os que fazem aos seus clientes o que querem para si próprios.  Cada um é juiz de si próprio e age de acordo com isso mesmo, nunca nos podemos afastar dessa base.

Que conselhos deixa aos mais novos?
Que sejam críticos do que se passa, formem a sua consciência e ajam em conformidade.

Se tivesse agora uma carteira de 5 mil euros para gerir onde apostava?
Numa obra de arte de que gostasse. Porque dá tanto trabalho gerir uma carteira de 500.000 euros como uma de 5.000 euros e o resultado que se possa tirar da de 5.000 não compensa o esforço.

E uma carteira de 500 mil euros?
Cobrir o risco cambial; aplicar 25.000 em ouro e 5.000 para "shortar" bancos nos EUA e manter o resto em liquidez na expectativa de tirar partido de um colapso dos mercados mais líquidos, em especial dos EUA.






A sua opinião32
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas

A dívida pública anda a bater recordes. Mas o pior é que a banca de retalho subsidiada pelo Estado está mesmo à espera disso para aumentar a carteira de clientes e elevar o "produto bancário". A banca de retalho tradicional é a maior amiga do excedentarismo, da falta de transparência e demais fontes de despesismo. Não brinquem mais com o fogo que esta pandilha é perigosa e totalmente irresponsável.

comentários mais recentes
bucks Há 3 dias

Outra vez esta notícia? Mas ele quer mesmo que aconteça? A especular...

MAS ESTE BÊBADO ainda anda AQUI Há 4 dias

épa vai curar a BEBEDEIRA e rebenta a BOLHA na tua CABEÇA

Anónimo Há 1 semana

ó hugo o que achaste da bolha do bes? não acertaste nela? então vales zero.

Anónimo Há 1 semana

bla bla bla e a m#rda dos analistas

ver mais comentários
pub