João Miranda
João Miranda 23 de novembro de 2017 às 13:00

Educação, alimentação e saúde

Há áreas onde o Estado não pode poupar: a educação, a alimentação e a saúde. Todas elas só têm resultados a longo prazo, e ninguém está disposto a apresentar e consensualizar uma estratégia, a pelo menos 10 anos, em que independentemente dos blocos ou ciclos governativos, o guião seja respeitado.
Na educação, urge uma intervenção estrutural no modelo de ensino. O que se aprende nas escolas e universidades, e a forma como se aprende, está cada vez mais desalinhado com o futuro, um futuro que "acontece cada vez mais rápido".

As novas gerações já são "digitais", e o que elas irão enfrentar, quando chegarem ao mercado de trabalho, será uma economia e um mercado ainda mais digital e globalizado. O ensino está desajustado com as necessidades futuras, que cada vez mais são as necessidades presentes.

Urge que as estruturas de ensino evoluam e se adaptem rapidamente, fazendo chegar em tempo útil a evolução tecnológica, e o novo conhecimento, aos conteúdos curriculares através da sua atualização e da formação continua dos seus professores.

Se nada se fizer neste sentido, iremos hipotecar o futuro dos nossos filhos, pois em termos de empregabilidade, não conseguiremos ter oferta qualificada para a procura, e não teremos procura para a oferta que estamos a formar.

Na alimentação, o consenso de que esta tem um impacto relevante na qualidade e esperança de vida da população, tornou-se algo inquestionável. O que é preocupante é não termos, por parte do Estado, políticas que estejam alinhadas com esta consciencialização coletiva.

Os hábitos alimentares, bons ou maus, constroem-se durante anos, geração a geração, pelo que o Estado não pode querer corrigir por decreto, através de penalização fiscal, aquilo que demora anos a ser construído de forma sustentável, com prejuízo dos consumidores, e com prejuízo daqueles que mais têm investido na busca da solução, e que deve começar exatamente nas crianças, que irão criar, a prazo, os hábitos alimentares do futuro…

Não podemos continuar a servir refeições nas cantinas das escolas, que representam em média 20% da alimentação das nossas crianças, nos hospitais ou noutras instituições da responsabilidade do Estado, em que o primeiro critério é o baixo custo, e não a qualidade e equilíbrio nutricional, agravado pelo facto do preço imposto aos operadores do setor, evidenciar falta de sensibilidade e de uma estratégia de longo prazo.

Tornou-se inquestionável, que grande parte dos custos com a saúde, suportados pelo Estado, resultam de maus hábitos alimentares. Investir na alimentação, é investir preventivamente na saúde e na qualidade de vida dos portugueses.

O problema é que investir na alimentação numa lógica preventiva, só tem retorno passado décadas, e quem o fizer hoje, já cá não estará para recolher os créditos…

Há áreas em que a prazo, poupar pode ser fatal.

Estamos sempre a tempo de mudar!


Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico


No âmbito do 20º aniversário do Negócios, pedimos um artigo a várias personalidades sobre ideias para o futuro de Portugal.  
A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub