Economia Banco de Portugal prevê 2017 com maior crescimento do século

Banco de Portugal prevê 2017 com maior crescimento do século

Depois de em Março ter revisto em alta a previsão de crescimento de 1,4% para 1,8%, o banco central aponta agora para 2,5%. Desde 2000, só em 2007 se cresceu tanto. Economia desacelera depois.
Banco de Portugal prevê  2017 com maior crescimento do século
Miguel Baltazar
Rui Peres Jorge 21 de junho de 2017 às 13:00

A economia portuguesa deverá crescer 2,5% este ano, um valor que nos últimos 17 anos só teve par em 2007. A economia desacelerará depois, mas crescerá ainda assim 2% em 2018 e 1,8% em 2019. Tratam-se de revisões significativas face aos valores apresentados há apenas três meses, que o banco central justifica com novas revisões em alta de vários agregados, com destaque para o investimento e as exportações.

 

"A actividade económica em Portugal deverá crescer ao longo do horizonte de projecção a um ritmo superior ao da área do euro e ao registado desde o início da recuperação económica. (…) Em 2019, o nível do PIB português deverá superar o observado antes da crise financeira internacional", lê-se numa nota divulgada à imprensa pelo banco central, que considera que "o padrão de crescimento económico projectado é consistente com uma recuperação sustentada da economia portuguesa".

O Banco de Portugal passa assim a ser a instituição pública mais optimista quanto à evolução da economia nacional este ano: o Governo apontou para 1,8% no Programa de Estabilidade, em linha com a Comissão Europeia (1,8%) e o FMI (1,7%), e a OCDE prevê 2,1%. Há, no entanto, previsões de outras instituições privadas que estão alinhadas com os números do banco central: a universidade Católica aponta para 2,4%,  o Montepio para 2,5% e o Santander para 2,6%, por exemplo.

 

O maior dinamismo da economia traduzir-se-á numa melhoria do mercado de trabalho, com o número de empregos a aumentar 2,4% este ano e 1,3% em 2018 e 2019, o que compara com as previsões anteriores de 1,6% em 2017, e cerca de 1% nos anos seguintes. 

 

O banco central estima por isso uma queda da taxa de desemprego 11,1% em 2016 para de 9,4% este ano, e até 7% em 2019 o que, a concretizar-se, será o melhor valor desde 2002.

 

Investimento e exportações disparam

 

A revisão em alta do crescimento é suportada por acelerações significativas do investimento e exportações e ambas resultam, em boa parte, de um maior dinamismo da actividade empresarial, revela o banco central.

"Depois de ter virtualmente estabilizado em 2016, a formação bruta de capital fixo (FBCF) deverá crescer 8,8% em 2017 e ligeiramente acima de 5% nos dois anos seguintes. A FBCF empresarial deverá crescer acima de 6% ao longo do horizonte de projecção, atingindo, em 2019, um peso no PIB próximo do registado antes da crise financeira internacional", escreve o banco central. Ainda assim, em 2019, o investimento estará um terço abaixo do valor de 2000.

O investimento público também crescerá significativamente este ano após a forte queda de 2016, devendo registar crescimentos moderados nos anos seguintes. Enquanto na habitação se verificará um crescimento de 9% este ano, mas moderado nos anos seguintes.

 

As exportações também disparam para um crescimento de 9,6% este ano, suportadas pelo turismo e mercadorias, desacelerando para aumentos de 6,8% e 4,8% nos dois anos seguintes – também acima das previsões anteriores. A explicar o desempenho estão ganhos de quota de mercado pelas empresas nacionais e o forte dinamismo do turismo, justifica o banco central.

 

"Antecipa-se uma forte aceleração das exportações de bens e serviços em 2017 e um crescimento robusto nos dois anos seguintes, com ganhos adicionais de quota de mercado" lê-se na mesma nota do banco central. 

As importações também foram revistas em alta, mas não o suficiente para prejudicar o saldo externo. Nas contas do Banco de Portugal, o saldo externo está agora sempre acima de 2% do PIB e atingindo os 2,4% em 2019, um desenvolvimento considerado essencial para uma economia com um elevado stock de endividamento externo. 

 

Finalmente, apesara da melhoria do mercado de trabalho, o consumo privado continuará com crescimentos moderados – 2,3% em 2017, e 1,7% nos anos seguintes - reflectindo o ainda elevado endividamento das famílias e um aumento moderado dos salários, num contexto de baixo crescimento de produtividade, espera o banco central. O nível de consumo das famílias só voltará aos níveis de 2008 em 2018.

 

Face aos bons resultados, o banco central lembra que Portugal enfrenta "importantes constrangimentos" da economia, nomeadamente os elevados endividamentos publico privado, pouco capital nas empresas e elevado desemprego de longa duração. Riscos que são adensados pela possibilidade do programa de estímulos do BCE ser reduzido em 2018.

 




A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 21.06.2017

Nada com vir uma troika impor algumas reformas estruturais para colocar este miseravel país a crescer algo que se veja. Faria se estivessem cá sempre, isso é que era bom.

comentários mais recentes
Aí agora ? 01.07.2017

Pois é, mas é preciso juizinho, porque a Geringonça caiu na asneira de não mexer na comunicação social como sempre faz a Direita, e agora, esse poder está lançado com unhas e dentes a describilizar o Governo aproveitando tudo para lançar o descrédito dos Governantes, dando meias Notícias á medid

Anónimo 21.06.2017

O Diabo é a geringonça golpista assassina que só protege os da panelinha! Deixando o resto da população completamente desprotegida!

Anónimo 21.06.2017

O Governo nao tem merito algum. Apostou no consumo e falhou.O 1Trimestr 17 recuou versus 1Trim 16. Oq houve foi conjuntura favoravel Euriopeia.Petroleo e Tx juros do BCE. O investimento sobe à custa 5000Milhoes da EU com dinheiro a fundo perdido até 60%.. As exportac.é OTurismo c/50%

Conselheiro de Trump 21.06.2017

Olha se eles te dao de volta os 500.000.000 de euros que surrepiaram dos gavetoes quando fazias uma bela soneca.Espantalho:o ladrao 44 estava a govervar-se,a direita a tirar o pais de onde foi posto,e este merdas vem fazer ilogios falsos,ze ninguem.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub