Economia Lagarde destaca Portugal como "excelente exemplo"

Lagarde destaca Portugal como "excelente exemplo"

A directora-geral do Fundo Monetário Internacional incentivou o primeiro-ministro António Costa a prosseguir o "caminho positivo".
Lagarde destaca Portugal como "excelente exemplo"
Lusa
Nuno Carregueiro 24 de janeiro de 2018 às 14:03

Christine Lagarde deixou hoje fortes elogios ao desempenho da economia portuguesa, destacando que Portugal é um "excelente exemplo de um país comprometido na transformação da sua economia e que agora está a recolher os benefícios".

 

A mensagem da directora-geral do Fundo Monetário Internacional foi deixada hoje em Davos, na Suíça, onde à margem do Fórum Económico Mundial teve um encontro com o primeiro-ministro António Costa.

 

Numa nota enviada aos jornalistas pelo gabinete de imprensa do FMI, Lagarde assinala os desenvolvimentos positivos da economia portuguesa que resultam das medidas implementadas no passado, como a "renovação do crescimento, queda do desemprego, acesso sustentado ao mercado e capacidade para reembolsar a quase totalidade da dívida ao FMI antes dos prazos acordados".

 

O ministro das Finanças anunciou na segunda-feira que Portugal iria pagar mais 800 milhões de euros ao FMI, precisamente nesta quarta-feira, 24 de Janeiro. A economia portuguesa terá registado em 2017 o crescimento mais forte da década e a taxa de desemprego está no nível mais reduzido desde 2008.

 

Na nota, Lagarde diz ainda que teve oportunidade de congratular Mário Centeno pela eleição como presidente do Eurogrupo, tendo "encorajado" os dois responsáveis a prosseguir "este caminho positivo".


Com o pagamento desta tranche fica a faltar a Portugal pagar cerca de 4,5 mil milhões de euros do total do empréstimo do FMI, mas, agora, a uma taxa de juro mais reduzida, que rondará 1%.

 

"Congratulo-me que Portugal, graças à melhoria da sua situação económica, tenha hoje antecipado o último reembolso do empréstimo contraído com sobretaxa de juro. Há uma determinação colectiva do povo português, que é muito impressionante", observou Lagarde, em declarações aos jornalistas em Davos, citada pela Lusa.

Questionada se essa melhoria da situação económica de Portugal constituiu uma surpresa para o FMI, Christine Lagarde admitiu que "em certa medida sim", sobretudo em termos de ritmo de progresso. "Este desenvolvimento que estamos a observar em certa medida sim, mas o percurso económico do país tem sido sempre acompanhado com bons resultados. É uma muito boa novidade", acrescentou.

 
(notícia actualizada com declarações de Lagarde em Davos)




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 24.01.2018

As reformas pararam e estão inclusivamente a ser revertidas. Quer o FMI quer a UE estão a fazer um estratégico forcing para chamar este gajedo das esquerdas lusas à razão e reeducá-los pedagógica e gradualmente num trabalho de grande proximidade sem cair no erro de os perder de vista. Daí a nomeação do mago ilusionista para porta-voz do Eurogrupo e estes elogios de circunstância. Em boa hora, como medida de último recurso, chamaram a brigada de negociação com sequestradores terroristas. Deixem-na fazer o seu trabalho.

comentários mais recentes
Mr.Tuga 25.01.2018

Esta sebenta é o cumulo da HIPOCRISIA!
Já esqueceu o seu discurso enquanto MF de França ?!?!?

A credibilidade desta corja de asnos politiqueiros de trampa e tecnoburocratas é constrangedora....

FP 24.01.2018

O monhe farta se de fotos de circunstancia

Anónimo 24.01.2018

As reformas pararam e estão inclusivamente a ser revertidas. Quer o FMI quer a UE estão a fazer um estratégico forcing para chamar este gajedo das esquerdas lusas à razão e reeducá-los pedagógica e gradualmente num trabalho de grande proximidade sem cair no erro de os perder de vista. Daí a nomeação do mago ilusionista para porta-voz do Eurogrupo e estes elogios de circunstância. Em boa hora, como medida de último recurso, chamaram a brigada de negociação com sequestradores terroristas. Deixem-na fazer o seu trabalho.

pertinaz 24.01.2018

CONVERSA DE CIRCUNSTÂNCIA PUBLICITADA POR JORNALEIROS

ver mais comentários
pub