Economia Proteção Civil: Relatório da comissão independente sobre incêndios tem erros e omissões graves

Proteção Civil: Relatório da comissão independente sobre incêndios tem erros e omissões graves

A Proteção Civil recusa as críticas do relatório elaborado pela comissão independente criada pelo parlamento para analisar o que se passou no incêndio de Pedrógão Grande e aponta-lhe omissões graves, erros e contradições.
Proteção Civil: Relatório da comissão independente sobre incêndios tem erros e omissões graves
Cofina Media
Lusa 26 de outubro de 2017 às 08:56
Segundo um documento da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), a que tanto a rádio TSF como o jornal i tiveram acesso e que terá sido enviado para o Ministério da Administração Interna, ninguém de topo do comando nacional da ANPC foi ouvido ou contactado pelos peritos da comissão.

De acordo com a TSF, o documento contesta quase 30 pontos do relatório da comissão técnica independente e diz que "as falhas apontadas, na prática, ou não existiram ou se traduzem em situações decorrentes da complexidade" do fogo de Pedrógão, que fez 64 mortos e mais de 250 feridos.

O documento acusa ainda a comissão independente de não ter chamado a prestar depoimento nem o comandante operacional nacional, que entretanto se demitiu, bem como outros "elementos absolutamente cruciais" naquele fogo.

A ANPC diz que o relatório da comissão tem "erros e omissões na análise dos factos que geram inclusivamente contradições de referência, confundindo as conclusões a reter" e considera que há partes do relatório que têm "o propósito claro de levar o leitor, cidadão comum, desconhecedor dos meandros da resposta operacional, a formular o juízo de que houve inépcia e inoperância do Comando Nacional de Operações de Socorro".

Neste documento, a ANPC pede que este desmentido seja tornado público, "por respeito às vítimas e ao bom nome da instituição e dos seus operacionais".

Segundo o jornal i, junto com o documento, a ANPC enviou à tutela vários documentos que "comprovam os argumentos" apresentados.

"No total, são 98 páginas que arrasam de forma detalhada, parágrafo a parágrafo, várias conclusões dos peritos", escreve o i.

O jornal acrescenta ainda que o facto de o documento não ter sido tornado público pela tutela faz com que alguns comandantes da ANPC questionem a isenção e as intenções dos peritos sobre as conclusões do relatório.

"Ao i, alguns comandantes da ANPC salientam ainda que um dos membros da comissão de peritos é José Manuel Moura, que foi comandante nacional da Proteção Civil até final de Dezembro de 2016", acrescenta o jornal.

Um dos pontos que é negado pela ANPC diz respeito à paragem da fita do tempo apontada pelos peritos da comissão, que concluíram que o actual comandante operacional nacional, Albino Tavares, deu ordens para que, a partir das 4:56 do dia 18 de Junho, não fossem registadas informações na fita do tempo sem autorização prévia.

"Todos os alertas deveriam ser comunicados ao posto de comando por telefone, e só após validação do mesmo seriam ou não inseridos na fita do tempo", lê-se no relatório dos peritos da comissão independente.

Em resposta, a ANPC nega tal conclusão e diz que a decisão de Albino Tavares foi "transferir para o posto de comando todas as informações inseridas na fita do tempo, deixando de ser registadas a partir de Leiria, onde é o comando distrital, devido às dificuldades de comunicações", escreve o I.

"Isto porque, caso as decisões fossem introduzidas na fita do tempo a partir de Leiria, 'eram susceptíveis de originar erros ou omissões de localização/missão e/ou constituição das forças efectivamente empenhadas no terreno'", acrescenta o jornal, citando a o documento de resposta da ANPC.

Ainda de acordo com esta resposta da ANPC, "esta terá sido a explicação que Albino Tavares deu aos peritos, não sendo a justificação de 'excesso de informação' que se lê no documento dos peritos".

A ANPC diz que naquela tarde de 17 de Junho era "impossível ao Comando percepcionar a evolução extrema do incêndio", algo que, defende, também é assumido noutras partes do relatório da comissão independente. "A resposta inicial não foi lenta, nem rápida, mas a possível e aconselhável no momento em que a mesma foi desencadeada", defende a Proteção Civil.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Camponio da beira Há 3 semanas

E a mim admira-me como o sr porco, perdão, leitão ainda não está preso!

Anónimo Há 3 semanas

Olha, olha, queriam trazer de volta os tempos do "lápis azul"...

Anónimo Há 3 semanas

Convém não esquecer que o resgate externo ao excedentarismo e sobrepagamento na banca e no sector público (contribuinte)-dependente em sentido estrito, foi facultado sob condição de se fazerem urgentes e necessárias reformas em termos de mercado de bens e serviços e de factores, incluindo o de capital e o laboral, de modo a que uma correcta e adequada política de gestão de recursos humanos nas organizações portuguesas passasse a ser a norma e não a excepção. Mas para que tal aconteça, toda a corrupção e tráfico de influências que sustentam e alimentam o status quo íniquo e insustentável terão de ser combatidas eficazmente. Caso contrário não sobra dinheiro, nem a crédito, para se investir em Portugal nos muito necessários bens de capital.

pertinaz Há 3 semanas

CLARO... SÓ FALTA DIZER QUE OS 108 PORTUGUESES MORRERAM POR CULPA PRÓPRIA...!!!

pub