Empresas Mário Ferreira investe 70 milhões em cruzeiros na Antártida

Mário Ferreira investe 70 milhões em cruzeiros na Antártida

O dono da Douro Azul encomendou aos estaleiros navais de Viana, da Martifer, a construção do primeiro navio oceânico Explorer do grupo, que vai fazer cruzeiros de expedição na Antártida. Custa mais de 70 milhões de euros e vai ter motores Rolls-Royce.
Mário Ferreira investe 70 milhões em cruzeiros na Antártida
D.R.
Rui Neves 24 de julho de 2017 às 00:01
Após ter colocado o rio Douro no mapa turístico internacional e, com a compra da Nicko, se ter tornado um dos tubarões mundiais dos cruzeiros fluviais, Mário Ferreira decidiu zarpar para uma nova aventura marítima: o negócio dos cruzeiros de expedição na Antártida, tendo encomendado à West Sea, do grupo Martifer, o primeiro navio oceânico do grupo, que deverá ser lançado à água no final do próximo ano.

Inicialmente indisponível para abrir o jogo sobre esta nova frente empresarial, Mário Ferreira, quando confrontado pelo Negócios com uma informação da Rolls-Royce sobre a matéria, acabou por confirmar que o novo navio já está em construção nos estaleiros navais de Viana do Castelo. "Ficará pronto em Outubro de 2018 e começará a operar no mês seguinte", revelou o empresário.

Sem querer revelar o valor exacto do investimento, o dono da Douro Azul e da Nicko adiantou que, "neste momento, há cerca de uma dezena de navios deste tipo em construção, no mundo, com o custo por embarcação a andar entre os 70 milhões e os 100 milhões de euros". No caso da sua "holding" pessoal, como irá financiar a conquista da Antártida?

Lamentando o facto de ter sido chumbada a candidatura deste projecto aos fundos comunitários, Mário Ferreira avançou que a operação será suportada "por dois empréstimos obrigacionistas, no valor global de 50 milhões de euros, e o restante com o apoio da Caixa Geral de Depósitos, do Montepio e do Banco Carregosa", detalhou.

Projectado pelo arquitecto naval italiano Giuseppe Tringali, o MS World Explorer, assim se chamará o novo navio, vai oferecer itinerários de cruzeiros de expedição na Antártida durante quatro meses, entre Novembro e Março, com partida em Ushuaia, cidade situada na ponta sul da Argentina. As viagens, segmentadas em etapas de 10 dias, terão um preço a rondar "os mil euros por noite".

O navio já está completamente fretado pela operadora internacional Polar Cruise Company Quark Expeditions. "Já tenho esses meses vendidos por duas temporadas, prazo renovável por igual período", garantiu Mário Ferreira. Para o resto da temporada, o World Explorer irá visitar "pequenos e distintos portos ao redor do mundo, normalmente não acessíveis a navios de cruzeiros maiores", através da Nicko Cruises.

Com 126 metros de comprimento e 19 de largura, o World Explorer, de 9.400 toneladas, terá capacidade para cerca de 200 passageiros e 111 tripulantes. O navio terá uma velocidade de cruzeiro operacional de 16 nós, com um casco reforçado e hélices para atravessar o gelo. A nível tecnológico, a embarcação levará a assinatura da prestigiada Rolls-Royce.

"Os motores, o sistema de propulsão, automação, o controlo de posicionamento dinâmico e o ‘cérebro’ central de controlo do navio será Rolls-Royce", enfatizou Mário Ferreira. "Para nós é essencial ter uma solução sustentável, eficiente e ambientalmente ‘amiga’. É por isso que optámos pela tecnologia híbrida proposta pela Rolls-Royce", frisou o empresário.

Sem apoios públicos, Ferreira afiança que "será muito difícil" que os próximos navios oceânicos que pretende encomendar venham a ser construídos em Portugal.

"Tubarão" ganha por ar, terra, rio e mar

Mário Ferreira tem dezenas de navios espalhados pelo mundo, hotéis no Porto e em Gaia, helicópteros e o World of Discoveries.

Maior operador no rio Douro
Mário Ferreira é dono da Douro Azul, a maior operadora portuguesa de cruzeiros, com uma frota de 13 navios-hotel no rio Douro e mais dois a caminho, a que acrescem iates, barcos rabelo e até helicópteros.

Em velocidade de cruzeiro no mundo
Com a compra da Nicko Cruises, Mário Ferreira tornou-se um dos tubarões mundiais dos cruzeiros fluviais, com duas dúzias de navios-hotel a operar em 15 rios em três continentes. E assim o grupo triplicou em 2016 a facturação para 105 milhões de euros.

Hotéis, o Tua e o museu dos descobrimentos
Entre outros negócios, Mário Ferreira está a investir na construção de três hotéis, no Porto e em Gaia; requalificou as antigas instalações gaienses da Real Companhia Velha; tem em curso o desenvolvimento do projecto turístico da Linha do Tua; explora o World of Discoveries; e tem negócios descobertos na pele de "tubarão" do programa de TV "Shark Tank".




A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Nonagésimo 24.07.2017

Investiu ou pediu para investir?

comentários mais recentes
pertinaz 25.07.2017

70 MILHÕES PARA QUEM FACTURA 105...!!!... QUE RAIO DE NEGÓCIOS SÃO ESTES...???

Ventura Santos 25.07.2017

Daqui a uns anos lá vamos todos ter que pagar os barcos do dito cujo, fora os juros e outros encargos contabilizados pela banca. Mais um aprendiz salgado ... PS: Onde é que ele foi buscar tantos investimentos ?! A imaginação das crianças é linda !

Hugo Soares 25.07.2017

Tenho na memória este senhor querer comprar um barco e a banca recusar, creio que disse que recorreu aos amigos helvéticos. Agora já tem uma frota e investe centenas de milhões... Deve ter encontrado Ouro no rio com esse nome.

lol 25.07.2017

Um testa de ferro, dos russos? chineses?

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub