Empresas Pedrógão Grande: Seguradoras com "dificuldades" em obter informações sobre vítimas

Pedrógão Grande: Seguradoras com "dificuldades" em obter informações sobre vítimas

As seguradoras dizem que o segredo de justiça está a dificultar na obtenção de informação sobre as vítimas mortais de Pedrógão Grande. Mas esta dificuldade só diz respeito ao fundo de solidariedade de 2,5 milhões e não aos seguros firmados anteriormente.
A carregar o vídeo ...
André Cabrita-Mendes 24 de julho de 2017 às 17:27
As seguradoras dizem que estão a sentir dificuldades para obter informações sobre as vítimas mortais de Pedrógão Grande. O segredo de justiça relativamente a este processo está a dificultar na distribuição de 2,5 milhões de euros do fundo criado pelas seguradoras.

"É um facto que estão a ser sentidas dificuldades em obter informação das entidades oficiais sobre as vítimas mortais de Pedrógão Grande e sobre as suas famílias, por razões ligadas à circunstância deste processo se encontrar em segredo de justiça", disse ao Negócios fonte oficial da Associação Portuguesa de Seguradores (APS) esta segunda-feira, 24 de Julho.

"Convém clarificar que nem a APS nem as seguradoras apresentaram qualquer queixa formal sobre este facto, limitando-se a constatar essa realidade. Estamos em crer, aliás, que neste domínio todos temos um objetivo comum: ajudar quem precisa o mais rapidamente possível. E tudo o que puder ser feito para concretizar esse objetivo, sem ferir a legislação vigente, será sempre uma boa noticia", acrescenta a APS.

As seguradoras sublinham que as compensações do Fundo de Solidariedade, no valor de 2,5 milhões de euros, para apoiar os familias das pessoas que faleceram, e também os feridos graves, "ainda não começaram a ser atribuídas porque é necessário fazer o apuramento da situação concreta de cada família afetada. E esse é um trabalho que já está neste momento em curso".

A APS distingue também entre o Fundo de Solidariedade e os seguros firmados antes dos incêndios. "Independentemente das compensações que vierem a ser pagas por este Fundo de Solidariedade, que é uma iniciativa pura de responsabilidade social, as empresas de seguros estão a pagar as indemnizações devidas ao abrigo dos contratos de seguro dentro da normalidade neste tipo de situações, até porque em relação aos seguros, as seguradoras detém obviamente informações sobre os seus segurados", sublinha a APS.

 

As dificuldades que as seguradoras estavam a sentir foram denunciadas por Luís Marques Mendes no seu espaço de comentário na SIC aos domingos. "A Associação Portuguesa de Seguradores já se queixou junto das autoridades por esta opacidade, falta de divulgação total, quer das vítimas, para se conhecerem também os seus familiares, quer dos carros ardidos", começou por dizer.


"As seguradoras constituíram um fundo para ajudar Pedrogão no valor de 2,5 milhões de euros. Querem atribuir essas compensações rapidamente,  e já disseram às autoridades que enquanto houver este bloqueio do chamado segredo de justiça não podem pagar", disse o antigo ministro de Cavaco Silva e Durão Barroso.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Hó anonimo Há 3 semanas

Sou criminoso? Quer pôr-me em conformidade? Diga lá o sitio que eu vou ter consigo. Vá tomar os comprimidos rapazote (para ser educado e não descer ao seu nível de tasca)

Começa Há 3 semanas

Não querem pagar

Aqui Ha quem Trabalha Há 3 semanas

As seguradoras só não têm dificuldades para obter informações quando é para receber! Depois é só dificuldades para pagar.

Anónimo Há 3 semanas

Os criminosos geringonceiros matam sem remorso com o seu fanatismo sindical ou corporativo de compardrio que vai desembocar nos mesmos atropelos aos direitos, liberdades e garantias dos restantes cidadãos. São psicopatas assassinos que devem ser tratados em conformidade pelas pessoas boas deste país

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub