Empresas Toys’R’Us poderá listar unidade asiática em bolsa

Toys’R’Us poderá listar unidade asiática em bolsa

Na América do Norte, a retalhista que opera na área de brinquedos apresentou o seu pedido de insolvência, mas a operação asiática da Toys’R’Us não foi incluída no processo. A empresa estuda vários cenários para esta unidade, incluindo lista-la na bolsa de Hong Kong.
Toys’R’Us poderá listar unidade asiática em bolsa
Reuters
Ana Laranjeiro 17 de outubro de 2017 às 10:15

Há cerca de um mês a empresa Toys’R’Us apresentou o pedido de insolvência de algumas das suas subsidiárias na América do Norte. As operações da empresa na Ásia não estavam incluídas nesse processo. Agora, a Toys’R’Us está a explorar várias possibilidades para as operações no continente asiático, onde o negócio está a crescer, escreve a Bloomberg.

A cadeia norte-americana, que detém cerca de 85% da firma na Ásia, e os bilionários Fung Brothers, que têm o remanescente, estão em contacto com bancos de investimento para estudar a possibilidade de listar a unidade asiática da Toys’R’Us em bolsa. A praça de Hong Kong é uma das hipóteses em cima da mesa. A operação de entrada em bolsa pode avaliar esta unidade em dois mil milhões de dólares, revelaram fontes à Bloomberg.


Apesar de ainda não haver uma decisão tomada, o pedido de falência que está em curso pode levantar dificuldades na listagem da companhia em bolsa, afastando investidores. Ainda assim, aponta a agência de informação, a entrada em bolsa permitiria a alguns investidores recuperarem uma parte do investimento que fizeram na Toys’R’Us, ao venderem as acções de uma unidade que está "saudável".


Em Junho, a Toys’R’Us revelou que o crescimento registado pelas unidades na Ásia e no Pacífico ajudaram a ofuscar as vendas fracas da empresa na Europa e nos Estados Unidos no trimestre que terminou no final de Abril.

Toys’R’Us e o pedido de protecção contra credores


A 19 de Setembro, a Toys’R’Us apresentou um pedido de protecção contra credores nos Estados Unidos, pretendendo fazer o mesmo em relação à sua subsidiária no Canadá.

A empresa, que se debate com uma pesada dívida e uma concorrência cada vez mais feroz por parte de retalhistas online como a Amazon, apresentou o pedido no U.S. Bankruptcy Court em Richmond, Virginia.

Segundo avançava a CNBC na altura, a empresa tem uma dívida de 4,9 mil milhões de dólares, sendo que a maior parte do passivo está relacionado com a compra alavancada de 7,5 mil milhões de dólares da própria companhia pela Bain Capital, KKR & Co. e Vornado Realty Trust em 2005.

"O dia de hoje marca o início de uma nova era na Toys R Us, em que esperamos que as restrições financeiras que nos travaram sejam resolvidas de uma forma duradoura e eficaz", afirmou na altura Dave Brandon, presidente e CEO da empresa, em comunicado citado pela CNBC. "Estamos confiantes de que estes são os passos certos para garantir que as marcas icónicas Toys R Us e Babies R Us vivam durante muitas gerações".

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub