Empresas Trabalhadores da antiga Triumph tentam sensibilizar Governo e Presidente da República

Trabalhadores da antiga Triumph tentam sensibilizar Governo e Presidente da República

Os trabalhadores da antiga Triumph, no concelho de Loures, realizam na segunda-feira de manhã um "pequeno-almoço solidário" para sensibilizar o Governo e o Presidente da República para as consequências sociais do encerramento da fábrica, foi hoje anunciado.
Trabalhadores da antiga Triumph tentam sensibilizar Governo e Presidente da República
Alexander Schwarz, fundador da Gramax Capital, fotografado na fábrica da TGI em Loures.
Lusa 07 de janeiro de 2018 às 19:31

A fábrica da antiga Triumph (de roupa interior feminina), sediada na freguesia de Sacavém, foi adquirida no início de 2017 pela TGI-Gramax e emprega actualmente 463 trabalhadores.

 

No entanto, em Novembro, a administração da empresa comunicou aos trabalhadores que iria ocorrer um processo de reestruturação, que previa o despedimento de 150 pessoas.

 

Na sexta-feira, depois de tomarem conhecimento de que a administração tinha iniciado um processo de insolvência, os trabalhadores iniciaram uma vigília à porta das instalações para impedir a saída de material.

 

Entretanto, para segunda-feira os trabalhadores da TGI-Gramax têm agendado mais uma acção simbólica de protesto, que pretende chamar a atenção do Governo, mas sobretudo do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse à agência Lusa a delegada sindical Márcia Antunes.

 

"Será um pequeno-almoço solidário, a partir das 07:00, organizado pelos trabalhadores. O objectivo é exigir que o Governo assuma as suas responsabilidades. Gostaríamos muito de poder contar também com o senhor Presidente Marcelo", sublinhou.

 

A sincalista contou que o ambiente entre os trabalhadores "é de grande desânimo" e que apenas desejam que o Governo possa "intervir urgente" para "fazer justiça".

 

"Estamos destroçados. Temos ordenados em atraso e sentimos que a Triumph agiu de má-fé neste processo. Já sabia que este ia ser o desfecho. Aquilo que esperamos é que o Governo, que foi conivente, assuma as suas responsabilidades e nos apoie", sublinhou.

 

Na iniciativa de segunda-feira estará também presente o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares.

 

A Lusa tentou contactar a administração da empresa, mas não obteve resposta.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 07.01.2018

Os salários ou o custo do trabalho em Portugal são mais reduzidos do que noutras economias mais ricas e desenvolvidas do que a portuguesa, mas o que se passa é que aí as empresas gozam de economias de escala que as empresas portuguesas só atingiriam se se internacionalizassem. E o que é facto é que muito raramente isso acontece porque sindicatos e esquerda não deixam que se reúnam as condições para que tal aconteça. Por outro lado, e não menos importante, há que salientar que o sector empresarial dessas economias mais ricas e desenvolvidas tem uma muito maior alocação de capital com grande incorporação de tecnologia de ponta, económica e eficiente, que poupa enormemente em factor trabalho. Uma coisa é ter 200 assalariados a ganhar 1000 outra é ter 50 a ganhar 2000 para produzir o dobro do que se consegue produzir empregando os primeiros. Agora, sem fazer nada disto e sem obedecer a estas regras económicas, também se pode decretar salário de 2000 para os 200. Enquanto der.

comentários mais recentes
Anónimo 07.01.2018

Os investidores necessitam de apoios com politicas de longo prazo. Cá vem o Costa com manhas e rasgar contratos, vem as mortaguas esmifra-los com impostos ao sol, ...

Anónimo 07.01.2018

O Costa não é manhoso, as empresas é que são! Com esta teoria o povo é que sofre na pele o desemprego e respetivas consequências. Os empresários irão fugir havendo oportunidade.

Anónimo 07.01.2018

Em organizações públicas e privadas do mundo mais desenvolvido, no âmbito da gestão das organizações faz-se gestão de recursos humanos (GRH). Sem GRH, nem criação de valor ocorre nem elevação dos rendimentos de colaboradores não excedentários se dá, uma vez que os excedentários, por definição, limitam-se a extrair valor. Economias com GRH enriquecem e desenvolvem-se de forma sustentável. Ser excedentário não significa por si só que se seja criminoso ou mesmo incompetente. Ser excedentário é como estar na condição de desempregado mas a ser suportado por uma organização que emprega o desempregado. O desempregado e o excedentário são apenas uma oferta sem procura, e isso não é crime, crime é não fazer GRH. O desempregado, sem procura no mercado laboral onde oferece trabalho. O excedentário, sem procura numa dada organização empregadora que tem que o suportar prejudicando a persecução da sua missão, visão e propósito. Ambos são um problema do Estado de Bem-Estar Social e não do empregador.

Anónimo 07.01.2018

Os salários ou o custo do trabalho em Portugal são mais reduzidos do que noutras economias mais ricas e desenvolvidas do que a portuguesa, mas o que se passa é que aí as empresas gozam de economias de escala que as empresas portuguesas só atingiriam se se internacionalizassem. E o que é facto é que muito raramente isso acontece porque sindicatos e esquerda não deixam que se reúnam as condições para que tal aconteça. Por outro lado, e não menos importante, há que salientar que o sector empresarial dessas economias mais ricas e desenvolvidas tem uma muito maior alocação de capital com grande incorporação de tecnologia de ponta, económica e eficiente, que poupa enormemente em factor trabalho. Uma coisa é ter 200 assalariados a ganhar 1000 outra é ter 50 a ganhar 2000 para produzir o dobro do que se consegue produzir empregando os primeiros. Agora, sem fazer nada disto e sem obedecer a estas regras económicas, também se pode decretar salário de 2000 para os 200. Enquanto der.

ver mais comentários
pub