Economia Governo reverte medida da troika e dá mais meia hora de recreio no primeiro ciclo

Governo reverte medida da troika e dá mais meia hora de recreio no primeiro ciclo

A partir de Setembro, as cinco horas de horário lectivo diário dos professores passam a incluir o intervalo de 30 minutos da manhã, o que se traduz em menos meia hora de aulas para os alunos e menos igual tempo de trabalho para os professores, avança o Jornal de Notícias
Governo reverte medida da troika e dá mais meia hora de recreio no primeiro ciclo
Negócios 05 de julho de 2017 às 09:27
No próximo no lectivo os alunos do primeiro ciclo terão 4,5 horas de aulas por dia, menos meia hora do que este ano, escreve o Jornal de Notícias. Esta é a consequência da decisão do ministério da Educação de passar a contar o intervalo de 30 minutos da manhã como parte das cinco horas obrigatórias de componente lectiva a que estão obrigados todos os professores.

Esta era uma reclamação dos representantes dos professores, nomeadamente das federações nacionais dos professores (Fenprof) e da Educação (FNE), que agora foi atendida por Tiago Brandão Rodrigues, o ministro da Educação, e que segundo o Jornal de Notícias obrigará ao redesenho dos horários escolares. Segundo o jornal há agora três hipóteses: começar as aulas às 9:30 em vez de às 9:00 ; alargar o intervalo para almoço de uma hora e meia para duas horas, ou terminar aulas às 15:30 em vez de às 16:horas.

Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos de Escolas Publicas acredita que a maior parte das escolas optará por alargar horário de almoço e defende a medida: as escolas terão de retirar "um bocadinho de tempo a cada uma das disciplinas, para que haja uma distribuição equitativa, mas os alunos terão mais tempo para brincar e a brincadeira também é importante para socialização", afirma ao diário.

Para Mário Nogueira a decisão trata apenas de acabar com uma ilegalidade gerada nos anos do ajustamento da troika pelo ex-ministro Nuno Crato, que decidiu excluir a pausa da manhã do período lectivo: "Não é legal que as pausas não façam parte do horário dos trabalhadores", disse ao Jornal de Notícias, considerando que os professores têm trabalhado mais duas horas e meia de trabalho por semana do que lhes era devido legalmente.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado ALBI 05.07.2017

Esta é mais uma a juntar às borradas que se têm visto, na educação e não só.

É como passar de ano quem tenha até 5 negativas nas disciplinas.

É como diminuir o grau de dificuldade para que as notas sejam melhores.

É como contar como certa uma respota que está errada (exame matemática 9 ano - item 14).

comentários mais recentes
Anónimo 05.07.2017

Como de costume, já apareceram os diretores escolares a dizer que são precisos mais assistentes operacionais para vigiar os alunos.Então os professores não podem fazer isso? O tempo conta como serviço, mas é melhor cabaneirar com os colegas.A teta do Estado tem que ser bem espremida.Trabalhem

PSC 05.07.2017

Eu sempre pensei que as escolas e o ensino eram para dar formação e conhecimento aos alunos.
Afinal, parece que não é assim.
É para dar folgas e intervalos aos professores! Coitadinhos!

ALBI 05.07.2017

Esta é mais uma a juntar às borradas que se têm visto, na educação e não só.

É como passar de ano quem tenha até 5 negativas nas disciplinas.

É como diminuir o grau de dificuldade para que as notas sejam melhores.

É como contar como certa uma respota que está errada (exame matemática 9 ano - item 14).

JCG 05.07.2017

Óptimo! Que se forme um país de brincalhões! Talvez tenhamos futuro no negócio do circo.
Um pais entregue a um gangue de irresponsáveis.

pub
pub
pub
pub