Europa Portugal vai pagar mais cedo 800 milhões ao FMI

Portugal vai pagar mais cedo 800 milhões ao FMI

O pagamento foi anunciado por Mário Centeno após a sua primeira reunião como líder dos ministros das Finanças da Zona Euro. Portugal conclui assim o pagamento da tranche do empréstimo do FMI que tinha juros mais elevados.
Portugal vai pagar mais cedo 800 milhões ao FMI
Lusa
André Cabrita-Mendes 22 de janeiro de 2018 às 19:48
Portugal vai fazer um pagamento antecipado de 800 milhões de euros relativos ao empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI). Este pagamento foi anunciado pelo ministro das Finanças português, Mário Centeno, após a sua primeira reunião como líder do Eurogrupo.

"Vai haver um pagamento antecipado de 800 milhões ao FMI. Isto significa que a parte mais cara do empréstimo ao FMI vai ser paga totalmente", disse Mário Centeno esta segunda-feira, 22 de Janeiro, em Bruxelas.

Da parte do Governo português, o secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, explicou que estes 800 milhões "correspondem à parte final do empréstimo do FMI em condições menos favoráveis. Continuamos a ter um empréstimo com o FMI, e as instituições europeias, mas a uma taxa muito mais reduzida. Isto vai contribuir para o robustecimento das contas públicas e beneficiar a consolidação orçamental".

Ricardo Mourinho Félix explicou que Portugal vai avançar para este pagamento depois de ter obtido autorização por parte do FMI e das instituições europeias.

"Este pagamento conclui a autorização pedida e permite pagar a totalidade da tranche mais cara do empréstimo ao FMI", afirmou explicando que fica ainda por pagar um total de 4,5 mil milhões de euros ao FMI com uma taxa de juro a rondar 1%.

Já Mario Centeno foi questionado na conferência de imprensa sobre se pretendia que a sua presidência do Eurogrupo fique marcada pela comunicação de boas notícias, devido à melhoria da situação económica na Zona Euro e em países como Portugal e Grécia. Em resposta, o ministro português defendeu que é preciso continuar a trabalhar no duro para obter bons resultados.

"As boas notícias são o resultado de trabalho duro. Podemos esperar ter boas notícias para apresentar aos nossos cidadãos se continuarmos com o bom trabalho, isso é objectivo do meu cargo no próximo ano e meio", afirmou Mário Centeno.

Durante a reunião do Eurogrupo desta segunda-feira, os ministros das Finanças da Zona Euro deram luz verde a um novo desembolso para a Grécia em Fevereiro depois de term chegado a acordo sobre a terceira revisão do programa de assistência para o país.

Mário Centeno também apontou que existe uma vontade colectiva dos ministros das Finanças da Zona Euro de aprovarem medidas para fazer as reformas da Zona Euro.

"Depois da nossa reunião de hoje sinto um forte espírito de equipa e um objectivo comum, vou fazer o meu melhor para ajudar a fazer as mudanças que tornem a Zona Euro mais forte. Vou também fazer o meu melhor em explicar aos nossos cidadãos os benefícios destas reformas", declarou o responsável português.



A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 6 horas

Ser excedentário sindicalizado de carreira é uma arte. Tal como ser burlão ou carteirista também é uma arte. O que acontece numa economia sujeitada a tantos artistas é que áreas carenciadas com real procura permanecem carenciadas, e áreas flageladas pelo sobreemprego ou até mesmo manifestamente desnecessárias e injustificáveis no seu todo, transformam-se em Segurança Social de Luxo para os respectivos assalariados. Esta é a tragédia de qualquer país votado à rigidez do mercado laboral que por arrastamento enfraquece o mercado de capitais. Se os mercados de factores produtivos não são saudáveis, o empobrecimento, o atraso, a dependência externa e as crises, andam sempre à espreita. Assim é nas Venezuelas, Coreias do Norte, Grécias e Portugais deste mundo.

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Saiu-nos do bolso e custou balúrdios, tudo para subsidiar sobreemprego e sobrepagamento actual e futuro na banca de retalho e no sector público em sentido lato, respeitando a máxima criminosa que diz que funcionário público ou bancário em Portugal é inelegível para o RSI. Não apoiou ou apoiará a inovação, o investimento ou o empreendedorismo. Mais valia terem iniciado um fundo soberano com esse dinheiro. Teria sido num momento ideal. Um rol de oportunidades perdidas para Portugal e os portugueses no seu todo. Brincam com o dinheiro dos outros e o futuro do país de forma indecorosa. Cada vez mais longe da Noruega, Singapura ou Oceania.

Troll Há 1 hora

Vou tratar de ti pessoalmente.

Excedentário és tu Há 1 hora

Vai para a Dinamarca fascista de merda

Mas que Super Governo Há 1 hora

Parabéns PS, os que querem fome lá para o ano 3000 voltam ao poleiro.

ver mais comentários
pub