Política Três secretários de Estado pedem demissão por viagens no Euro 2016

Três secretários de Estado pedem demissão por viagens no Euro 2016

Rocha Andrade, Jorge Costa Oliveira e João Vasconcelos pedem exoneração de funções.
Três secretários de Estado pedem demissão por viagens no Euro 2016
Miguel Baltazar
Tiago Freire Lusa 09 de julho de 2017 às 19:15
Os secretários de Estado da Internacionalização, dos Assuntos Fiscais e da Indústria pediram hoje a exoneração de funções, após terem solicitado ao Ministério Público a sua constituição como arguidos no inquérito relativo às viagens para assistir a jogos do Euro 2016.

"Os signatários solicitaram ao primeiro-ministro a exoneração das funções que desempenham", afirmam, em comunicado conjunto enviado à Lusa, o secretário de Estado da Internacionalização, Jorge Costa Oliveira; o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, e o secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos.

A decisão é justificada com a intenção de não prejudicar o Governo.

Segundo apurou o Negócios, os governantes têm a expectativa de que serão, em breve, constituídos arguidos, na sequência de diligências do Ministério Público nos últimos dias. Optaram, assim, por se antecipar, pedindo esse estatuto na investigação em curso.

A exoneração é definitiva e foi, ao início da noite, confirmada pelo gabinete do Primeiro-Ministro, que não indicou, para já, substitutos.    

Os três governantes referem, na mesma nota, que decidiram "exercer o seu direito de requerer ao Ministério Público a sua constituição como arguidos", depois de terem tido conhecimento de que "várias pessoas foram ouvidas pelo Ministério Público e constituídas como arguidas no âmbito de um processo inquérito relativo às viagens organizadas pelo patrocinador oficial da selecção portuguesa de futebol, durante o campeonato da Europa de 2016".

Jorge Costa Oliveira, Fernando Rocha Andrade e João Vasconcelos afirmam que foram "sempre transparentes" sobre esta questão e "reafirmam a sua firme convicção de que os seus comportamentos não configuram qualquer ilícito", o que dizem querer "provar no decorrer do referido inquérito".

"Todavia, nas actuais circunstâncias, entendem que não poderão continuar a dar o seu melhor contributo ao Governo e pretendem que o executivo não seja prejudicado, na sua acção, por esta circunstância", referem, a propósito do pedido de exoneração.

Os três secretários de Estado aceitaram, no ano passado, convites da Galp para assistir a jogos da selecção nacional no campeonato europeu de futebol.

João Vasconcelos esclareceu, na altura, que pagou um bilhete de avião e os outros dois governantes adiantaram que pretendem pagar as despesas.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, deu então o caso por encerrado, com o reembolso das despesas efectuadas pelo patrocinador oficial da selecção, mas o executivo decidiu aprovar um código de conduta que vincule os membros do Governo.

A Galp esclareceu, em agosto passado, que "é comum" e eticamente aceitável convidar para determinados eventos entidades com que se relaciona.

"Todos viajam em conjunto de forma aberta e transparente, num voo 'charter' de acesso generalizado, sem qualquer segredo ou tratamento diferenciado, partindo e regressando no próprio dia do jogo", lia-se na nota enviada pela Galp à Lusa.

O CDS pediu a demissão dos governantes, enquanto o PSD pediu esclarecimentos e PCP e Bloco de Esquerda condenaram esta conduta.



A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado oluapaxe Há 1 semana

A razão são as viagens do euro 2016 do rocha andrade ??? Mais uma treta, mais uma nuvem de fumo.
A verdade está no tempo em que andou a negociar o sirep com o costa e como sabe que o inquérito vai doer já está a abandonar o barco como os ratos... só falta saber se também vai para Espanha como chefe.

comentários mais recentes
Rodas Nepervil Há 1 semana

Corrupcao é corrupcao. Nao é uma questao de montante. Fosse 1 euro ou 1 milhao, os politicos nao tem que aceitar "prendas" de grupos economicos privados. Sejam de direita, de esquerda, de cima ou de baixo.
Tambem é uma questao de percepcao, nao basta ser.

2.000 euros = CORRUPÇÃO Há 1 semana

A viagem, com tudo o que teve incluído custaria a qualquer um de nós cerca de 2.000 euros, por isso é muito dinheiro!
Numa unidade de compras se alguém receber uma prenda dessas de um fornecedor apanha com um processo disciplinar e pode ser despedido, e um politico que ganha mais? Nada!!??

Para o Camaleao Comunista Há 1 semana

Escreves varios comentarios com nicks diferentes, MAS SABEMOS QUE ES TU.
O que estas a tentar desculpar (64 mortos, assaltos aos paiois, 1000 milhoes de cativacoes, ferias, demissoes por receberem convites improprios) é INDESCULPAVEL.
Vens para aqui tentar enganar papalvos, mas nao conseguiras

Anónimo Há 1 semana

Não era este que queria vasculhar as contas dos "ricos" de 50.000€ e perdeu o rasto aos "pobres" das ofshores? Temos tido bons canalhas a governar!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub