Outros sites Cofina
C-Studio
Mais informações

C•Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do universo Cofina.
Aqui as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Notícia

Nova aquisição da Amazon: perigo à espreita… e à escuta

No início do mês de agosto, a Amazon anunciou que estava a comprar a iRobot, fabricante dos aspiradores Roomba. Provavelmente esta compra tem pouco ou nada que ver com a limpeza e aspiração de pisos, mas já lá vamos.

05 de Setembro de 2022 às 11:55

Numa primeira abordagem, esta estratégia poderia fazer sentido num mercado de retalho online gigantesco, ao adquirir um gadget popular para vender aos clientes fiéis. O Roomba é um produto de consumo brilhante, com a iRobot a vender 40 milhões de unidades nas últimas duas décadas. O design simples e a capacidade giratória do dispositivo deram-lhe uma grande fatia do mercado avaliada em 3 mil milhões de dólares por ano (pouco mais de 3 mil milhões de euros) – três quartos de todos os aspiradores inteligentes vendidos nos Estados Unidos têm o nome Roomba.


Desta forma, o negócio faz sentido. Mas a suspeita é de que, para a Amazon, o negócio nada tenha que ver com a limpeza do chão. O que parece ser a expansão ainda mais do alcance da empresa na vida das pessoas deverá incomodar-nos a todos.



Monopólio da Amazon


O poder do monopólio da Amazon é assim mesmo: as vendas na Amazon representam pelo menos metade de todo o comércio online nos EUA. Três em cada quatro pesquisas de produtos começam no website. O serviço de remessa e armazenamento da Amazon entrega cerca de um quarto de todas as encomendas de comércio eletrónico nos Estados Unidos e está prestes a ultrapassar a UPS como a segunda maior empresa de entrega de encomendas ao consumidor, depois do Serviço Postal dos EUA.


A Amazon Web Services é de longe a maior empresa de cloud computing do país. O Amazon Echo é responsável por dois terços de todas as colunas inteligentes. O acordo com a iRobot segue uma estratégia conhecida da Amazon que Jeff Bezos admitiu no passado: usar fusões e aquisições para controlar o mercado e aumentar a posição dominante da Amazon.


Várias empresas fabricam e vendem aspiradores robôs, incluindo marcas como a Shark e outras, mas a Roomba é um nome familiar mesmo para quem não utiliza os seus produtos, tão omnipresente que serve de abreviatura para todos os outros aspiradores robôs disponíveis, tal como a marca Tupperware é o nome usado para designar os recipientes que armazenam comida no frigorífico.




Ao simplesmente assumir a empresa que fabrica o produto mais popular do setor, a Amazon pode aumentar o seu monopólio sem precisar de inovar e competir com os seus concorrentes. Poderá então usar a posição dominante, combinando o Roomba com o seu mercado online de monopólio e com o programa de assinatura Prime, deixando assim outras marcas de aspiradores sufocarem, incapazes de chamar a atenção e destacar-se do Roomba no site de compras mais popular do mundo.




A Amazon usou uma série de estratégias anticoncorrenciais para garantir uma posição de força numa grande variedade de produtos de tecnologia doméstica, todos projetados para aumentar o domínio no conceito de casa inteligente. A empresa costuma vender as colunas inteligentes Echo com prejuízo, o Kindle e até o serviço Prime Video para eliminar os rivais e expandir a primazia. A Amazon pode muito bem usar a mesma estratégia com o Roomba: combinar o seu poder no mercado de retalho, com preços abaixo do custo, matando o negócio para a concorrência.


Pode negociar ações da Amazon na XTB com tão pouco como 10 dólares, e sem comissões. Aprenda a negociar estas e outras ações neste artigo.



Amazon dentro das nossas casas


Essa fusão não se trata apenas de controlar a indústria dos robôs aspiradores, ou mesmo de dispositivos domésticos inteligentes. Possuir o Roomba dá ao fabricante o acesso às nossas casas e vidas. Poderá mapear onde moramos, o que possuímos e o que poderá vender para centenas de milhões de clientes.


A Amazon conquistou o lugar de destaque na tecnologia doméstica da mesma forma que se está a expandir agora – comprando outras empresas. Comprou a start-up de assistente de voz Evi Technologies, em 2013, para ajudar a criar o que acabaria por se tornar a Alexa, a voz de Echo – de longe, o principal assistente de voz inteligente.


Para estender os olhos e ouvidos às casas das pessoas, a Amazon comprou também duas start-ups: a fabricante de câmaras Blink, em 2017, e uma empresa de campainhas chamada Ring, em 2018. Hoje, a Ring representa cerca de 40% de todas as campainhas de vídeo instaladas nos Estados Unidos.


Esses dispositivos deram à Amazon um acesso incrível ao quotidiano das pessoas. A empresa tem um histórico documentado de aproveitamento dos dados, que a sua vasta rede de tecnologia doméstica captura, para crescer e expandir o poder de monopólio da Amazon. Por exemplo, a Amazon usa há anos o algoritmo da Alexa para direcionar os clientes para os produtos da própria Amazon. A Ring monitoriza e regista cada interação com a campainha de um cliente, incluindo cada campainha e cada movimento próximo do lado de fora da porta.




Os investigadores do Congresso dos Estados Unidos descobriram que “adquirir a Ring e a Blink foi em parte para expandir e reforçar o poder de mercado [da Amazon] para as suas outras linhas de negócios”.




A busca da Amazon por dados do consumidor traz preocupações profundas e reais sobre a maneira como a empresa usa as imagens e os sons capturados pelos seus produtos de tecnologia doméstica. A Amazon fez parceria com os departamentos de polícia em toda a América para instalar as câmaras de videovigilância Ring nas ruas, usadas para vigiar as pessoas sem qualquer tipo de consentimento.



E as ações da Amazon, como irão reagir?


Os modelos mais recentes do Roomba capturam informações às quais a Amazon, no momento, não tem acesso. O novo sistema operacional da iRobot mapeia a planta e o conteúdo dos espaços em que opera. Os aspiradores agora estão equipados com uma câmara para responder a comandos, como, por exemplo, “Limpa em frente ao sofá”. Mas isso significa que o aspirador sabe que tipo de sofá temos, se tem ou não tapete e assim por diante.


Se o acordo for concluído, a Amazon também passará a saber essas coisas e as ações da Amazon poderão ter uma valorização expressiva. Cada informação que a Amazon recolhe sobre a vida das pessoas – o que mais querem comprar, quais as perguntas que costumam fazer, o que guardam dentro de casa – aumenta ainda mais a barreira à concorrência justa. No entanto, os reguladores irão analisar este acordo, mas se virem o negócio deste ponto de vista, a Amazon pode ter de deixar a limpeza do chão para outra pessoa e as ações da Amazon poderão enfrentar uma correção.






Gráfico da Amazon (AMZN.US), intervalo D1. As ações da Amazon interromperam a tendência de queda, que vigorava desde novembro de 2021, depois de ter apresentado resultados no passado dia 28 de julho. As ações da Amazon subiram mais de 13% no after market, depois de a empresa registar receitas de 121,2 mil milhões de dólares (esp. 119,1 mil milhões de dólares) e esperar que as receitas do 3º trimestre de 2022 atinjam os 125-130 mil milhões de dólares. Fonte: xStation 5




Este conteúdo foi produzido integralmente pela XTB



Este material é uma comunicação de marketing na aceção do artigo 24.º, n.º 3, da Diretiva 2014/65 / UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de maio de 2014, sobre os mercados de instrumentos financeiros e que altera a Diretiva 2002/92 / CE e Diretiva 2011/61/ UE (MiFID II). A comunicação de marketing não é uma recomendação de investimento ou informação que recomenda ou sugere uma estratégia de investimento na aceção do Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de abril de 2014 sobre o abuso de mercado (regulamentação do abuso de mercado) e revogação da Diretiva 2003/6 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho e das Diretivas da Comissão 2003/124 / CE, 2003/125 / CE e 2004/72 / CE e do Regulamento Delegado da Comissão (UE ) 2016/958 de 9 de março de 2016 que completa o Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito às normas técnicas regulamentares para as disposições técnicas para a apresentação objetiva de recomendações de investimento, ou outras informações, recomendação ou sugestão de uma estratégia de investimento e para a divulgação de interesses particulares ou indicações de conflitos de interesse ou qualquer outro conselho, incluindo na área de consultoria de investimento, nos termos do Código dos Valores Mobiliários, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 486/99, de 13 de novembro. A comunicação de marketing é elaborada com a máxima diligência, objetividade, apresenta os factos do conhecimento do autor na data da preparação e é desprovida de quaisquer elementos de avaliação. A comunicação de marketing é elaborada sem considerar as necessidades do cliente, a sua situação financeira individual e não apresenta qualquer estratégia de investimento de forma alguma. A comunicação de marketing não constitui uma oferta ou oferta de venda, subscrição, convite de compra, publicidade ou promoção de qualquer instrumento financeiro. A XTB, S.A. - Sucursal em Portugal não se responsabiliza por quaisquer ações ou omissões do cliente, em particular pela aquisição ou alienação de instrumentos financeiros. A XTB não aceitará a responsabilidade por qualquer perda ou dano, incluindo, sem limitação, qualquer perda que possa surgir direta ou indiretamente realizada com base nas informações contidas na presente comunicação comercial. Caso o comunicado de marketing contenha informações sobre quaisquer resultados relativos aos instrumentos financeiros nela indicados, estes não constituem qualquer garantia ou previsão de resultados futuros. O desempenho passado não é necessariamente indicativo de resultados futuros, e qualquer pessoa que atue com base nesta informação fá-lo inteiramente por sua conta e risco.