Outros sites Cofina
C-Studio
Mais informações

C•Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do universo Cofina.
Aqui as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Notícia

Quatro coisas que precisa saber para investir de forma segura

Tão importante como obter dividendos dos investimentos feitos nos mercados é assegurar que esses investimentos são realizados de forma segura e informada.

23 de Outubro de 2018 às 08:54
  • ...

Numa altura em que se regista uma tendência de quedas nos mercados, sobretudo em consequência da acentuada subida dos juros associados à dívida pública dos Estados Unidos, é ainda mais relevante estar bem informado sobre como fazer investimentos seguros. Há quatro questões que deve conhecer se quiser investir com segurança:


1. Deseja garantir que os seus investimentos são mantidos de forma segura. Com corretoras como a DEGIRO os seus investimentos ficam 100% segregados, o que significa que são colocados numa entidade de custódia que fica responsável pela gestão e protecção desses activos. Esses investimentos permanecem intactos, mesmo que surja algum problema com a corretora, dado que estas entidades de custódia são independentes.

2. O investimento na bolsa deve ser visto como um investimento com oscilações, pelo que o investidor deve estar preparado para assumir eventuais menos-valias. Além de que o mercado bolsista deve ser visto como uma aposta a médio e longo prazo e não de curto prazo. Como tal, deve começar por definir os objectivos do investimento, bem como o intervalo de tempo para os alcançar. Já que as acções evoluem de forma assimétrica (com altos e baixos), investir numa acção ao longo de algum tempo, e não apenas num único acto, ajuda a reduzir o risco de o momento escolhido não ter sido o melhor. Há ainda que ser feita uma avaliação aos eventuais prazos/condições para o levantamento de mais-valias. Antes de investir no produto, saiba se este impede, ou condiciona, o resgate de mais-valias durante um determinado período de tempo, isto porque há casos em que o resgate implica, por exemplo, a perda da mais-valia. Um exemplo são os Certificados do Tesouro Poupança Crescimento (CTPC), cujo resgate só é possível um ano após a subscrição. Por este motivo, se considera que irá necessitar do dinheiro que pretende investir, não o invista;

3. Os investidores devem estar conscientes da sua capacidade para lidar e gerir o risco sempre associado ao investimento – medir a sua tolerância ao risco. A estratégia de cada investidor terá de ser delineada em função da tolerância ao risco. Uma forma de diminuir o risco numa carteira de investimentos é a diversificação dos mesmos – a ideia de não colocar todos os ovos no mesmo cesto. No âmbito da diversificação de investimentos, os investidores podem recorrer aos ETF (Exchange Traded Funds, fundos que replicam o desempenho de um determinado índice, matéria-prima ou cabaz de activos). No caso de produtos derivados, importa compreender que este tipo de investimento permite tanto a maximização do ganho como da perda.

4. O primeiro passo antes de qualquer investimento é conhecer bem o produto financeiro em que vai investir e os custos associados, lendo o prospecto do produto e analisando indicadores que ajudem a perceber a situação financeira das empresas bem como a evolução do mercado. Um dos instrumentos que o podem ajudar é o PER (Price to Earnings Ratio = Valor de Mercado/Lucro Anual).

Ser um investidor bem informado vai para além dos passos anteriormente referidos. Não se esqueça de optimizar o seu retorno, minimizando os seus custos. Descubra o quanto a DEGIRO é mais barata em comparação a outras corretoras que operam online, não havendo custos associados à custódia de títulos.



* Este conteúdo foi redigido em cooperação com a DEGIRO.