Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo proíbe realização de festivais de música até 30 de setembro

Os habituais festivais de verão não vão poder realizar-se até 30 de setembro. A medida foi aprovada esta quinta-feira em Conselho de Ministros.

Ana Sanlez anasanlez@negocios.pt 07 de Maio de 2020 às 15:51
  • Assine já 1€/1 mês
  • 10
  • ...

O Governo decidiu proibir a realização de festivais de música até ao próximo dia 30 de setembro. A medida foi aprovada na reunião do Conselho de Ministros desta quinta-feira. A proposta de lei vai ser submetida à aprovação do Parlamento.


Face à pandemia de covid-19, "impõe-se a proibição de realização de festivais de música, até 30 de setembro de 2020, e a adoção de um regime de caráter excecional dirigido aos festivais de música que não se possam realizar no lugar, dia ou hora agendados, em virtude da pandemia", lê-se no comunicado do Conselho de Ministros.


Já no caso de espetáculos "cuja data de realização tenha lugar entre o período de 28 de fevereiro de 2020 e 30 de setembro de 2020, e que não sejam realizados por facto imputável ao surto da pandemia da doença COVID-19, prevê-se a emissão de um vale de igual valor ao preço do bilhete de ingresso pago, garantindo-se os direitos dos consumidores", acrescenta a nota do Governo.

O cancelamento dos festivais de verão era uma medida esperada pelo setor. Na semana passada, em entrevista à RTP, o primeiro-ministro, António Costa, referiu a "enorme probabilidade" de estes eventos não se realizarem este ano. 

Alguns eventos já tinham antecipado este cenário, como o Rock in Rio Lisboa, que logo no início de abril anunciou o adiamento da edição deste ano para 2021. Também esta quarta-feira, o presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, referiu à Rádio Renascença que o NOS Alive, que deveria acontecer em julho, não deveria realizar-se este ano.

Os promotores dos maiores festivais de música nacionais reuniram-se na semana passada com o Governo para manifestar as "angústias e preocupações" do setor, que foi obrigado a parar devido à pandemia. A ministra da Cultura, Graça Fonseca, referiu na ocasião que a atividade cultural deverá respeitar uma "reabertura progressiva". 

Segundo uma análise da Cision, o cancelamento dos festivais vai traduzir-se em perdas de retorno mediático na ordem dos 190 milhões de euros para as marcas que patrocinam os dez maiores festivais portugueses. 

Ver comentários
Saber mais festivais música festivais verão
Outras Notícias