Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Sondagem Aximage: PS ganha terreno nas intenções de voto legislativo e PSD cai

No seu barómetro político de Abril, realizado para o Jornal de Negócios e Correio da Manhã, a Aximage dá conta de um ligeiro aumento das intenções de voto legislativo no PS, ao passo que o PSD cede terreno.

Carla Pedro cpedro@negocios.pt 08 de Abril de 2017 às 21:30
  • Assine já 1€/1 mês
  • 58
  • ...

O PS recolhe 42% das intenções de voto legislativo junto da população inquirida no início deste mês pela Aximage. Já o PSD tem 24,6%, enquanto o Bloco de Esquerda (BE) conta com 9,5%, a CDU 7,6% e o CDS 4,8%.

 

As intenções de voto no PS para as eleições legislativas registam assim uma ligeira subida, já que em Março ascendiam a 41,7%.

 

O PSD, em contrapartida, regista uma descida, uma vez que no mês passado as intenções de voto legislativo situavam-se nos 26%.

 

O BE e a CDU sobem (9,2% e 6,8%, respectivamente, em Março), sendo que o CDS cai (5,3% para os actuais 4,8%).

 

Relativamente à avaliação dos líderes partidários dos principais partidos políticos, António Costa recebe a melhor classificação, com 14,9 valores numa escala de 0 a 20. Catarina Martins ocupa a segunda posição, com 11,5 valores, seguida de Jerónimo de Sousa com 10,6 valores. A líder do CDS, Assunção Cristas, obtém 8,4%, e Passos Coelho tem a pior avaliação, com 4,9 valores.

  

Quanto às expectativas relativamente ao Governo de António Costa, e sobre se este está a governar de forma melhor, pior ou igual ao que esperavam, 50,4% dos inquiridos consideram que está a ser melhor. Já 40,1% acham que está a ser igual ao que esperavam e 8,6% consideram que está a ser pior, ao passo que 0,9% dizem não ter opinião sobre o assunto.

 

No que toca à notoriedade e avaliação dos ministros do actual Governo, não considerando António Costa, quando questionados sobre qual o primeiro nome de ministro de que se recordam, Mário Centeno lidera a tabela de notoriedade espontânea junto dos inquiridos, com 51,9% do "top of mind". O ministro das Finanças lidera também como "melhor ministro" na questão sobre qual é o ministro deste Governo que melhor tem actuado.

 

Em segundo lugar no "top of mind" surge Vieira da Silva, com o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social a recolher 3,7%. Em seguida, Francisca Van Dunem, ministra da Justiça, foi o primeiro nome de entre os ministros deste Governo que surgiu no pensamento dos inquiridos, com 3,4%.

 

Seguiram-se Augusto Santos Silva, com o ministro dos Negócios Estrangeiros a ser recordado em primeiro lugar por 2,7% dos respondentes, e Tiago Brandão Rodrigues (Educação) com 2,2%. Luís Capoula Santos, com a pasta da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, foi o primeiro nome que veio à cabeça de 2% dos inquiridos. Os restantes ministros tiveram menos de 1%.

 

Nesta questão, sublinhe-se, 30,5% dos inquiridos não souberam dizer o nome de qualquer ministro.

 

Ainda no que diz respeito a quais são considerados os melhores e piores ministros, a seguir a Centeno na tabela de melhor actuação surgem Tiago Brandão Rodrigues com 8,8% e Adalberto Campos Fernandes (Saúde) com 7,9%. O ministro da Educação, contudo, é quem lidera nas piores actuações, com 14,4%, seguido de Adalberto Campos Fernandes com 8,5%.



 

Sobre o político em quem têm maior confiança para ocupar o cargo de primeiro-ministro, de entre António Costa e Pedro Passos Coelho, 67,5% escolheram o secretário-geral do PS, tendo o líder social-democrata recolhido 24,1% das expressões de confiança.

 

Por último, na questão da actuação de Marcelo Rebelo de Sousa na Presidência da República nos 30 dias anteriores (as entrevistas foram realizadas entre 2 e 4 de Abril), a avaliação é positiva. Numa nota de 0 a 20, Marcelo recebe 18,3 valores, precisamente a mesma classificação que no mês precedente. 

FICHA TÉCNICA

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.

 

Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo, tendo sido extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica.

 

A amostra teve 600 entrevistas efectivas: 274 a homens e 326 a mulheres; 52 no Interior Norte Centro, 81 no Litoral Norte, 110 na Área Metropolitana do Porto, 109 no Litoral Centro, 170 na Área Metropolitana de Lisboa e 78 no Sul e Ilhas; 99 em aldeias, 163 em vilas e 338 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.

 

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 2 a 4 de Abril de 2017, com uma taxa de resposta de 84,6%.

 

Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 600 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" – a 95%- de 4,00%).

 

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz. 

Ver comentários
Saber mais secretário-geral do PS PS Adalberto Campos Fernandes PSD BE Vieira da Silva Bloco de Esquerda CDS António Costa CDU Catarina Martins Saúde Jerónimo de Sousa Segurança Social Aximage Assunção Cristas Francisca Van Dunem Tiago Brandão Rodrigues Luís Capoula Santos Marcelo Rebelo de Sousa Pedro Passos Coelho
Outras Notícias