Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Sondagem: Incêndios desgastam PS. Direita sobe

O barómetro da Aximage de Outubro, que reflecte parcialmente os efeitos decorrentes dos últimos incêndios no centro do país, mostra um PS penalizado pelos acontecimentos e, em sentido inverso, a direita a subir. O PS cai 1,1 pontos percentuais e o PSD sobe 0,9 pontos, havendo uma clara transferência de votos dos socialistas para os social-democratas.

Nuno André Ferreira
David Santiago dsantiago@negocios.pt 20 de Outubro de 2017 às 20:30
  • Assine já 1€/1 mês
  • 63
  • ...

O PS é o partido que mais cai, o PSD o que mais sobe. A esquerda a cair e a direita a subir. São estas as principais leituras da sondagem realizada pela Aximage para o Negócios e o Correio da Manhã. O barómetro de Outubro da Aximage reflecte, ainda que parcialmente, as consequências, nas intenções de voto, provocadas pelos incêndios dos últimos dias no centro do país e que provocaram, até ao momento, 44 mortos.


O PS cai 1,1 pontos percentuais face a Setembro para 41,9% das intenções de voto, enquanto o PSD sobe quase na mesma proporção (+0,9 pontos percentuais) para 23,8%. Verifica-se uma transferência de votos entre as duas maiores forças políticas nacionais.

O CDS também sobe (0,7 pontos) para 5,9%, confirmando a tendência de reforço da direita parlamentar no barómetro da Aximage. Em sentido inverso, o Bloco de Esquerda e a CDU (PCP e Verdes) registam quedas ligeiras (ambos recuam ténues 0,1 pontos) para 9% e 7,7%, respectivamente. As forças que compõem a chamada geringonça perderam terreno para a direita.

Esta sondagem já repercute, embora não completamente, os efeitos que fizeram da última semana o momento mais delicado vivido pelo Executivo chefiado por António Costa. O estudo de opinião foi levado a cabo entre os dias 14 e 17 deste mês, sendo que os incêndios que assolaram, em especial, a zona centro do país lavraram principalmente no último fim-de-semana e na passada segunda-feira.

Parte das entrevistas foram feitas ainda no sábado e no domingo, tendo sido já ao final de dia 15 (domingo) que começou a ser perceptível a dimensão e gravidade dos incêndios que, por exemplo, dizimaram cerca de 80% do Pinhal de Leiria.

Por outro lado, a sondagem já não reflecte a comunicação ao país feita pelo Presidente da República cerca das 20:30 de terça-feira. A dura intervenção de Marcelo Rebelo de Sousa acabou por aumentar a pressão sobre o primeiro-ministro e o Governo. Um dia depois desta intervenção, António Costa aceitou o pedido de demissão da até então ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa.

 

Costa e Governo reforçados

Apesar da queda dos socialistas nas intenções de voto, tanto António Costa como o Governo surgem reforçados. O índice de expectativas mostra que 48,1% dos inquiridos pela Aximage consideram que o Executivo socialista está a actuar "melhor do que esperavam".

42% dos entrevistados consideram que o desempenho do Governo está a ser "igual ao que esperavam" e apenas 8,9% vêm a actuação como "pior do que esperavam".

Também a popularidade do primeiro-ministro parece não ser prejudicada pela mais recente crise provocada pelos fogos. Pelo contrário, depois de o nível de aceitação de Costa ter caído nos barómetros da Aximage de Julho e de Setembro, a popularidade do líder socialista cresceu agora de uma nota de 12,9 para 13,3 (avaliação de 0 a 20). Costa continua a ser o líder com maior índice de popularidade.

Bom resultado em Lisboa impulsiona popularidade de Cristas

O segundo lugar alcançado pela líder centrista na corrida à Câmara de Lisboa, nas autárquicas de 1 de Outubro, permitiu a Assunção Cristas alcançar uma nota positiva. Cristas passa de 7,2 para 10,5 e é de longe a líder partidária com melhor registo em Outubro.

Pelo seu lado, Catarina Martins, coordenadora do Bloco, continua a ter uma avaliação positiva (11,2), enquanto o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, passa de 10 para 9,8.

Por fim, o presidente do PSD, Passos Coelho, que após as autárquicas anunciou que não se recandidatará à liderança social-democrata nas eleições directas do partido, entretanto marcadas para Janeiro, continua a merecer uma nota negativa apesar da ligeira subida de 4,7 para 5,2.


 

Ex-ministra Urbano de Sousa era a pior ministra

Tendo em conta que este estudo de opinião foi concluído antes da demissão de Constança Urbano de Sousa, a agora ex-ministra da Administração Interna surgia ainda na avaliação feita pelos inquiridos pela Aximage.

Urbano de Sousa detinha claramente com a pior avaliação entre o elenco governativo, com 37,4% dos entrevistados a apontarem a então governante como a pior ministra. Desde a tragédia de Pedrógão Grande, em Junho, Constança Urbano de Sousa vinha sendo de forma recorrente considerada como o pior elemento do Governo.

O melhor ministro continua a ser Mário Centeno, avaliado como tal por 46%. O titular das Finanças é também o governante mais reconhecido pelos inquiridos quando instados a identificar espontaneamente o nome de um membro do Governo.

Quem também continua com uma avaliação muito favorável é Marcelo Rebelo de Sousa. Para 87% dos entrevistados, nos últimos 30 dias o Presidente actuou "bem". Somente 5,2% vêem o desempenho do chefe de Estado como "assim-assim" e 6% como "mau".

Ver comentários
Saber mais Sondagem Aximage PS PSD CDS Bloco de Esquerda CDU PCP António Costa Marcelo Rebelo de Sousa Constança Urbano de Sousa Mário Centeno Catarina Martins Assunção Cristas Passos Coelho
Outras Notícias