A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Carlos Costa para João Galamba: "Isto é insultuoso"

Ao fim de duas horas e meia de audição, o governador irritou-se com o deputado João Galamba. O socialista criticou Carlos Costa por ter remetido para um colega do Banco de Portugal uma resposta sobre o Montepio. O governador disse que a posição de Galamba era "insultuosa".

Bruno Simão/Negócios
Maria João Gago mjgago@negocios.pt 23 de Março de 2017 às 23:08
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

"Em defesa da honra, isso é insultuoso. Isto não é assim. A insultar", afirmou irritado o governador do Banco de Portugal, depois de João Galamba ter acusado Carlos Costa de ter atirado responsabilidades para um colega administrador do supervisor em resposta a uma questão sobre o Montepio.

 

O deputado do PS tinha perguntado se o Banco de Portugal tinha imposto ao Montepio o reforço de imparidades para a exposição ao Grupo Espírito Santo, na sequência da avaliação aos maiores grupos económicos clientes da banca nacional, no final de 2013, entre os quais a Espírito Santo International, "holding" de topo do GES.

 

Carlos Costa respondeu que não sabia, alegando que era um tema de outro administrador. Galamba lamentou que o governador atirasse responsabilidades para um colega e revelou que a imposição de aumento de imparidades do Montepio para o GES apenas aconteceu em Julho.

 

Foi então que Carlos Costa se irritou. E depois de se assumir insultado respondeu: "não passei a responsabilidade para ninguém. Disse que não era capaz de dar a resposta de forma rigorosa. Não é a forma de questionar o governador. Tenho todo o gosto de informar quando a informação me for transmitida".  

 

Mais tarde, o deputado do PS fez questão de esclarecer que apenas reagiu à resposta do governador por Carlos Costa ter começado por afirmar "isso não era comigo". João Galamba disse ainda que "em momento algum espera que o governador tenha resposta para tudo". 

 

Carlos Costa "agradeceu a intervenção" e esclareceu que "não foi a questão do Montepio" que motivou a sua resposta. "Depois de seis horas de discussão haver mal-entendidos é perfeitamente normal", sublinhou. 

Ver comentários
Saber mais Banco de Portugal João Galamba Carlos Costa Grupo Espírito Santo Montepio GES
Outras Notícias