Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Carlos Silva sai do BCP com "início de nova era"

O vice-presidente não vai continuar em funções do BCP, banco que considera ser "um caso de sucesso" e "uma referência na esfera internacional". Carlos Silva, que está convocado para testemunhar na Operação Fizz, deixa desafios para o futuro.

Carlos Silva está no BCP desde 2011, sendo vice-presidente da instituição financeira desde 2012. Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 21 de Fevereiro de 2018 às 18:02
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

Carlos Silva não está nas listas dos accionistas para continuar no Banco Comercial Português. Com o "início de uma nova era", o vice-presidente da instituição financeira vai abandonar o cargo. Mas, em carta, deixa elogios ao trabalho feito pelo banco na última década. E assinala, igualmente, a necessidade de a instituição continuar em "contínua transformação".

 

Numa missiva dirigida a António Monteiro, presidente do conselho de administração do BCP, Carlos Silva admite o ponto final do seu trajecto no banco, para onde entrou em 2011. "Estando consolidado, com sucesso, o ciclo de 'turnaround' do banco, dou por concluída a minha missão nos órgãos de gestão do Millennium BCP, pelo que deixa de fazer sentido a integração de quaisquer órgãos sociais num novo mandato".

 

Dá-se o "início de uma nova era", fecha-se um "ciclo de vida do banco". E Carlos Silva não continuará. Actual vice-presidente, Carlos Silva não se encontra na lista de novos órgãos sociais proposta pelos accionistas para o próximo mandato. Uma lista em que a Fosun tem uma palavra central, já que retirou à Sonangol a posição de maior accionista. A petrolífera angolana, neste momento, está a estudar a sua participação no banco. Nessa lista, Nuno Amado deverá continuar como presidente executivo. 

 

"É inquestionável a transformação concretizada nesta última década. O Millennium BCP de 2018, por si liderado, é, de novo, um caso de sucesso, é, de novo, o maior banco privado português e continua a ser uma referência na esfera internacional" Carlos Silva, carta a António Monteiro, presidente do conselho de administração do BCP

A carta datada de 15 de Fevereiro, noticiada pelo Expresso e a que o Negócios teve acesso, foi escrita a partir de Luanda numa altura em que Carlos Silva é referido na Operação Fizz, sendo que o seu testemunho foi solicitado, ao qual se dispôs a depor por videoconferência. A investigação judicial que se encontra em fase de julgamento tem o procurador da República Orlando Figueira como protagonista por, alegadamente, ter recebido pagamentos para arquivar investigações ao ex-vice-presidente de Angola, Manuel Vicente.

 

Mesmo assim, o vice-presidente do BCP, que entrou no banco ainda na liderança de Carlos Santos Ferreira e quando a Sonangol era a principal accionista, ressalva o trabalho que foi feito e em que participou. Foi possível, frisou, "concretizar, com sucesso, os ciclos de reforço de capitais próprios do banco" e "adequar a performance operacional" e ainda "melhorar de forma rigorosa os riscos de balanço".

 

"É inquestionável a transformação concretizada nesta última década. O Millennium BCP de 2018, por si liderado, é, de novo, um caso de sucesso, é, de novo, o maior banco privado português e continua a ser uma referência na esfera internacional", diz Carlos Silva na carta dirigida a António Monteiro, que está na presidência não executiva do banco desde a mesma data.

 

O futuro

 

"Com um sólido balanço e uma performance operacional de referência, considero que o principal desafio estratégico do Millennium BCP para o novo ciclo de gestão está estritamente relacionado com a capacidade do banco liderar a sua contínua transformação, para se adaptar aos desafios da era digital, criando ciclos disruptivos de evolução na forma e função que o banco desempenha junto das comunidades das diversas geografias onde opera", assinala o responsável que também fazia parte do conselho de curadores da Fundação Millennium BCP.

 

Na carta, Carlos Silva deixou elogios à comissão executiva do banco, que conseguiu resolver "equações complexas em contextos adversos". Há uma semana, na conferência de imprensa de apresentação de resultados, Nuno Amado, que preside à comissão executiva do BCP, deixou palavras elogiosas, sublinhando a sua importância para o cumprimento da reestruturação da instituição financeira.

 

Na vice-presidência, e apenas no exercício de 2016, Carlos Silva, que esteve em três mandatos no órgão de administração do BCP (primeiro no conselho geral e de supervisão, depois no conselho de administração), auferiu uma remuneração de 67,5 mil euros. 

Ver comentários
Saber mais António Monteiro Carlos Silva Operação Fizz Banco Comercial Português Nuno Amado
Mais lidas
Outras Notícias