Banca & Finanças Reino Unido e Bruxelas negam acordo para a banca. “É especulação”, diz governo de May

Reino Unido e Bruxelas negam acordo para a banca. “É especulação”, diz governo de May

O porta-voz do Governo de Theresa May diz que a notícia do The Times sobre o acordo é "especulação" e que as negociações entre o Reino Unido e a União Europeia ainda estão em curso.
Reino Unido e Bruxelas negam acordo para a banca. “É especulação”, diz governo de May
Reuters
Rita Faria 01 de novembro de 2018 às 12:43

O governo britânico negou esta quinta-feira, 1 de Novembro, que já tenha sido alcançado um acordo com Bruxelas para o sector financeiro no pós-Brexit. A notícia do entendimento foi avançada pelo The Times, que dava conta de que a União Europeia e o Governo de May já haviam fechado um acordo preliminar para assegurar o acesso recíproco da banca depois do divórcio entre a UE e o Reino Unido, agendado para Março do próximo ano.

 

Segundo a Bloomberg, o porta-voz do Governo britânico garantiu que a notícia é pura especulação e que as negociações ainda estão a decorrer.  

 

"Isto é especulação. Ainda que estejamos a fazer bons progressos na definição de novos acordos para os serviços financeiros, as negociações ainda estão em curso. Nada está acordado até que tudo esteja acordado", sublinhou o porta-voz, num email.

 

A agência noticiosa refere ainda que também uma fonte de Bruxelas desmentiu o entendimento, assegurando que não foi alcançado qualquer acordo que garanta acesso aos bancos sediados no Reino Unido.

 

O The Times avançava que ambas as partes teriam chegado a um entendimento baseado na equivalência, o que significava que o Reino Unido teria um acesso à UE semelhante ao das principais empresas americanas e japonesas. No entanto, o porta-voz do Governo disse esta quinta-feira que o objectivo do Reino Unido era ir além dos regimes de equivalência existentes.

 

A notícia do acordo motivou fortes ganhos entre os grandes bancos do Reino Unido, esta manhã, que entretanto, atenuaram ligeiramente as subidas. O Royal Bank of Scotland segue a valorizar 4,7%, o Lloyds ganha 2,69%, depois de ter chegado a somar 3,67% e o Barclays aprecia 2,09% depois deter subido um máximo de 3,35%.

 

A libra, por seu lado, valoriza 1,21% para 1,2921 dólares.

 

A contribuir para este optimismo está ainda convicção expressa pelo negociador britânico do Brexit, Dominic Raab, que afirmou numa carta ao Parlamento britânico que espera ter pronto um acordo com a União Europeia sobre a saída do Reino Unido até 21 de Novembro.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI