Empresas CMVM perde um administrador, Governo procura substituto

CMVM perde um administrador, Governo procura substituto

Afonso Silva, que entrou para a CMVM em 2017, sai do cargo por motivos pessoais. O Ministério das Finanças já procura substituto.
CMVM perde um administrador, Governo procura substituto
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 27 de fevereiro de 2018 às 19:19

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) perdeu um administrador. Afonso Silva saiu, por motivos pessoais, do conselho de administração do regulador, sendo que tinha entrado para o cargo há praticamente um ano. O Governo já procura substituto. 

 

"José Afonso Godinho Gonçalves da Silva, vogal do conselho de administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), cessará funções, a seu pedido e por motivos de natureza pessoal, a partir do dia 2 de Março de 2018", indica um comunicado do Ministério das Finanças enviado às redacções.

 

Afonso Silva foi para a CMVM no ano passado sendo que, antes disso, tinha estado na administração executiva da Açoreana, a seguradora detida pelos herdeiros de Horácio Roque e pelo Banif. No curriculum, contou com a presidência da Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I. P., entre 2012 e 2014.

 

Durante o ano que esteve em funções, segundo a nota do gabinete de Mário Centeno, Afonso Silva dedicou-se "com empenho e determinação às áreas de planeamento estratégico, organização interna, tecnologia e gestão da informação".

 

Neste momento, o regulador conta com Gabriela Figueiredo Dias (na foto) como presidente, e Filomena Oliveira, ex-Caixa Geral de Depósitos, como vice-presidente. Afonso Silva era vogal, juntamente com João Gião, que entrou no conselho vindo do Mecanismo Europeu de Estabilidade, e Rui Pinto, do Banco de Portugal, que continuam em funções. Afonso Silva foi o último dos cinco membros da administração da CMVM a entrar em funções, em Janeiro do ano passado.

 

Mas o órgão vai voltar a contar com cinco membros: "O Governo, através do Ministério das Finanças, está a desenvolver os procedimentos legalmente previstos para a designação de um novo vogal do conselho de administração da CMVM". Essas diligências passam, depois de uma proposta do Governo, por um parecer na Cresap e por uma audição parlamentar.


Criada em 1991, a CMVM tem como missão a supervisão e a regulação do mercado de valores mobiliários, exercendo funções de "polícia" das bolsas.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 27.02.2018

O Ricardo Salgado está disponível, é uma questão de números...

Anónimo 27.02.2018

o ambiente na cmvm deve andar bonito com tanta reestruturação que tem havido... saem assessores, directores e agora um administrador... foquem-se mas é na protecção dos investidores e no desenvolvimento do mercado!!

27.02.2018

Proponho João Rendeiro, quando voltar de Maimi, evidentemente.

Anónimo 27.02.2018

Continuam as saídas, um belo saco de gatos. Ponham ordem na casa! Para quê tanto regulador, não há mercados?

pub