Indústria Consultora suíça Egon Zehnder recruta novo CEO para a Navigator

Consultora suíça Egon Zehnder recruta novo CEO para a Navigator

A produtora de pasta de papel detida pela família Queiroz Pereira está à procura de um gestor para suceder a Diogo da Silveira, que abandonou o cargo em abril. Fonte oficial diz que ainda não há decisão nem "timing" para o anúncio.
Consultora suíça Egon Zehnder recruta novo CEO para a Navigator
António Larguesa 05 de julho de 2019 às 09:51

O processo de recrutamento do novo CEO da The Navigator Company (ex-grupo Portucel Soporcel) está a ser conduzido pela consultora Egon Zehnder, especializada no recrutamento de executivos, que tem sede na Suíça e escritório em Lisboa.

Segundo noticia o JE, o sucessor de Diogo da Silveira na produtora de pasta e papel detida pela família Queiroz Pereira deverá ser anunciado no mês de setembro e ser um gestor de nacionalidade estrangeira. O peso do mercado português no volume de negócios da empresa é de 4%.

Em declarações ao Negócios, fonte oficial da Navigator contrapôs que ainda "não há 'timing' para anunciar o novo CEO" e que também "não há nenhuma decisão tomada" sobre o nome ou o perfil a recrutar. "Muito menos que seja estrangeiro", acrescentou.

 

Aquando do anúncio da saída do antigo CEO, em fevereiro, a empresa sublinhou que a escolha iria "demorar o tempo necessário" e seria "anunciada quando concluída". Diogo da Silveira, que passou antes pela Oni e pela Açoreana, deixou o cargo por "decisão pessoal" e por entender que "chegou o tempo de fechar este capítulo" na sua vida profissional.


Desde a saída, concretizada na assembleia-geral a 9 de abril, aos comandos da empresa, como interino, está João Castello Branco, que tinha o cargo de "chairman" e assume atualmente a presidência executiva da Semapa, grupo avaliado em mais de mil milhões de euros que é o maior acionista da Navigator.

 

No primeiro trimestre, os lucros da Navigator recuaram para 49,3 milhões de euros, o que representa uma descida de 7,5% em termos homólogos. Nos três primeiros meses do ano, em que faturou 421,8 milhões de euros (+9,6%), o segmento de papel representou 71% do total, a energia 11%, a pasta mais de 9% e o negócio de "tissue" cerca de 8%.

(Peça atualizada às 14:06 com informações prestadas pela empresa, incluindo a correção do peso de Portugal nas vendas)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI