Outros sites Cofina
Notícia

A inovação social da EDP na energia

Um dos objectivos é encontrar parcerias que permitam escalar estas acções e o seu impacto.

Filipe S. Fernandes 20 de Abril de 2018 às 14:01
Campo de refugiados de Kakuma, no Quénia Miguel Baltazar
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
Em 2009 a Fundação EDP deu início ao programa A2E (acrónimo de Access to Energy), com um projecto no campo de refugiados de Kakuma no Quénia em colaboração do com a ACNUR, então liderada por António Guterres, a que se seguiu, em 2012, a construção da Cabiri Solar Village em Angola. Hoje o programa é assumido como uma actividade próxima do core business da EDP. Conta com uma equipa dedicada ao desenvolvimento de novos projectos e investimentos na geração descentralizada com recurso a fontes renováveis, distribuição e comercialização de energia.

Tem projectos desenvolvidos na Guiné-Bissau, Brasil, Benim e Quénia. São pequenos projectos para testar tecnologias e modelos de desenvolvimento sustentável, representam um investimento de cinco milhões de euros e têm cerca de 20 mil beneficiários directos. Um dos objectivos é encontrar parcerias que permitam escalar estas acções e o seu impacto.


2009
Fundação EDP
Em 2009 deu início ao programa A2E (acrónimo de Acess to Energy).


O A2E reflecte o compromisso constante do Grupo para com as comunidades locais, seja onde tem operações, combinando responsabilidade social e sustentabilidade económica dos projectos, seja potenciando também novas oportunidades de internacionalização em países que ainda mantêm parte significativa das suas populações rurais sem acesso à electricidade.

A estratégia passa ainda por estabelecer parcerias com outras organizações para a criação de condições indutoras de modelos de desenvolvimento mais sustentável, com destaque para o Sustainable Energy for All (SEforAll), organização criada pelas Nações Unidas, dedicada à promoção da universalização do acesso à energia sustentável, o World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), a rede global da UN Global Compact ou, em Portugal, o BCSD - Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável. 


Mais notícias