Defesa Jornal espanhol divulga lista de material roubado em Tancos

Jornal espanhol divulga lista de material roubado em Tancos

1.450 munições de 9 milímetros, 18 granadas de gás lacrimogéneo, 150 granadas de mão ofensivas, 44 granadas foguete anti-carro estão entre os materiais roubados das instalações militares na passada quarta-feira.
Jornal espanhol divulga lista de material roubado em Tancos
Ricardo Ponte
Negócios com Lusa 02 de julho de 2017 às 20:50
A publicação online El Español teve acesso e publicou a lista do material roubado na quarta-feira passada dos Paióis Nacionais de Tancos, citando "a documentação definitiva" do armamento, cujo furto deu "novas razões para preocupação" às forças de segurança europeias, a braço com ameaças terroristas.

Segundo aquela publicação, que transcreve informação que foi enviada de Lisboa às forças anti-terroristas espanholas, saíram das instalações em Tancos 1.450 munições de 9 milímetros, 18 granadas de gás lacrimogéneo, 150 granadas de mão ofensivas, 44 granadas foguete anti-carro, além de 22 bobinas de fio utilizado para activação por tracção, 102 unidades de carga explosiva e 264 unidades de explosivo plástico.

Contactado pela agência Lusa, o Exército escusou-se a comentar a notícia do jornal espanhol.

A lista divulgada hoje pelo jornal El Español:

- 1.450 cartuchos de 9 mm

- 22 bobinas de fio para ativação por tração

- Um disparador de descompressão

- 24 disparadores de tração lateral multidimensional inerte

- Seis granadas de mão de gás lacrimogéneo CS / MOD M7

- 10 granadas de mão de gás lacrimogéneo CM Anti-motim M / 968

- Duas granadas de mão de gás lacrimogéneo Triplex CS

- 90 granadas de mão ofensivas M321

- 30 granadas de mão ofensivas M962

- 30 granadas de mão ofensivas M321

- 44 granadas foguete antitanque carro 66 mm com espoleta M4112A1 com lançamento M72A3 --M/986 LAW

- 264 unidades de explosivo plástico PE4A

- 30 CCD10 (Carga de corte)

- 57 CCD20 (Carga de corte)

- 15 CCD30 (Carga de corte)

- 60 iniciadores IKS

- 30,5 lâminas KSL (Lâmina explosiva)

O Exército anunciou na quinta-feira que foi detectada na quarta-feira, ao final do dia, a violação dos perímetros de segurança dos Paióis Nacionais de Tancos e o arrombamento de dois 'paiolins', tendo desaparecido granadas de mão ofensivas e munições de calibre nove milímetros.

Na sexta-feira, o Exército acrescentou que entre o material de guerra roubado na quarta-feira dos Paióis Nacionais de Tancos estão "granadas foguete anticarro", granadas de gás lacrimogéneo e explosivos, mas não divulgou quantidades.

Em declarações à SIC, o chefe do Estado-Maior do Exército, reconheceu que quem roubou o material de guerra do quartel de Tancos tinha "conhecimento do conteúdo dos paióis" e admitiu a possibilidade de fuga de informação.

No sábado, o Exército anunciou que foram reforçadas as medidas de segurança nos Paióis Nacionais de Tancos e determinadas inspecções a estes paióis e aos de Santa Margarida.

Em comunicado, o Exército referiu ainda que serão instaurados vários processos de averiguações e instaurado o sistema de vigilância electrónica ainda em 2017.

Estas medidas acrescem às exonerações anunciadas pelo chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), Rovisco Duarte, de cinco comandantes de unidades do ramo para não interferirem com os processos de averiguações sobre o furto de material de guerra em Tancos.

Os militares exonerados são o comandante da Unidade de Apoio da Brigada de Reacção Rápida, tenente-coronel Correia, o comandante do Regimento de Infantaria 15, coronel Ferreira Duarte, o comandante do Regimento de Paraquedistas, coronel Hilário Peixeiro, o comandante do Regimento de Engenharia 1, coronel Paulo Almeida, e o comandante da Unidade de Apoio de Material do Exército, coronel Amorim Ribeiro.

O general Rovisco Duarte confirmou ainda a relação do armamento roubado noticiada pelo Diário de Notícias, 44 lança-granadas, quatro engenhos explosivos, 120 granadas de mão e 1.500 munições de nove milímetros, e adiantou que o furto terá ocorrido "noite/madrugada" entre duas rondas.

O general reiterou que "pessoalmente" admite a possibilidade de ter havido fuga de informação face às "evidências" conhecidas, frisando que foram escolhidos dois paióis específicos em 20 e não eram os que estavam mais próximos da entrada.

Além da investigação conduzida pela Polícia Judiciária Militar e pela Polícia Judiciária, vai decorrer um inquérito no Exército para apuramento de eventuais responsabilidades, disse.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 02.07.2017

Para salvar o excedentarismo de carreira ou a alocação vitalícia de factor produtivo trabalho sem qualquer procura e justificação no sector público o governo PS reduziu o investimento público em áreas muito importantes com crescente procura e incontestável pertinência. Eis aqui uma dessas áreas. É isto, o crematório público de Pedrógão, o roubo de armas de guerra nos paióis de Tancos e o INEM à noite em muitas cidades que está a ser desmantelado por esse país fora... Que mais desgraças estarão para chegar devido à constituição socialista, à anacrónica lei laboral e ao sindicalismo troglodita? Viva a Frente Comum. Viva o socialismo lusitano e o fim da austeridade.

comentários mais recentes
pertinaz 03.07.2017

EM PORTUGAL VIVE-SE UMA DITADURA

NÃO ADMIRA QUE SEJAM JORNAIS ESPANHÓIS A DIVULGAR OS PODRES DA DESGOVERNAÇÃO DA ESCUMALHA...!!!

Anónimo 02.07.2017

Para salvar o excedentarismo de carreira ou a alocação vitalícia de factor produtivo trabalho sem qualquer procura e justificação no sector público o governo PS reduziu o investimento público em áreas muito importantes com crescente procura e incontestável pertinência. Eis aqui uma dessas áreas. É isto, o crematório público de Pedrógão, o roubo de armas de guerra nos paióis de Tancos e o INEM à noite em muitas cidades que está a ser desmantelado por esse país fora... Que mais desgraças estarão para chegar devido à constituição socialista, à anacrónica lei laboral e ao sindicalismo troglodita? Viva a Frente Comum. Viva o socialismo lusitano e o fim da austeridade.

Notícias Relacionadas
Saber mais e Alertas
pub