Economia Passos Coelho surpreendido com ausência de demissões após roubo de Tancos

Passos Coelho surpreendido com ausência de demissões após roubo de Tancos

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, mostrou-se hoje surpreendido por ainda ninguém na hierarquia militar ter apresentado a demissão ou ter sido exonerado na sequência do roubo de material de guerra em Tancos, Santarém.
Passos Coelho surpreendido com ausência de demissões após roubo de Tancos
O presidente do PSD diz-se "espantando" por ainda não ter havido pedidos de demissão após o roubo de material militar em Tancos.
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 01 de julho de 2017 às 18:10

"Fico espantado por até hoje na própria hierarquia militar não ter havido ninguém que tivesse sido exonerado ou colocado o lugar à disposição no caso do roubo de material de guerra, em Tancos, e temos um ministro da Defesa que assume a responsabilidade política, sem que ninguém saiba associar isso a qualquer acção", afirmou Pedro Passos Coelho, presidente do PSD.

 

"Era importante que o país soubesse o que é que isto quer dizer, que acções é que foram tomadas", disse.

 

O líder social-democrata, que falava na sessão de encerramento da Convenção Autarquia do PSD, que decorreu em Freixo de Espada à Cinta, no distrito de Bragança, quer saber que acções foram tomadas, referindo que compete, por lei, à Procuradoria-Geral da República PGR) investigar o que se passou.

 

"Tem mesmo de ser a PGR a fazer a investigação e não pode deixar para esse efeito de contar com a cooperação da Polícia Judiciária, que tem, de resto, uma unidade de combate ao terrorismo e ao crime organizado, que é justamente quem pode acrescentar alguma coisa significativa em termos de investigação", enfatizou.

 

Segundo Passos Coelho, o que está em causa é material de guerra "que pode ser empregue por forças militares ou utilizado por terroristas".

 

"O que se vier a passar na Europa ou em Portugal nos próximos tempos pode ser condicionado por falhas de segurança graves como esta que aconteceu. Isto é uma situação grave, que não é para desdramatizar", indicou o líder do PSD.

 

Para Passos Coelho, era bom que estes assuntos de Estado fossem tratados com "sentido de responsabilidade". 

 

Segundo o chefe do Estado-Maior do Exército, General Rovisco Duarte, "estes roubos podem acontecer em qualquer país e em qualquer Exército, desde que haja vontades e capacidades".

 

O Exército revelou na sexta-feira que entre o material de guerra roubado na quarta-feira dos Paióis Nacionais de Tancos estão "granadas foguete anticarro", granadas de gás lacrimogéneo e explosivos, mas não divulgou quantidades.

 

Rovisco Duarte sublinhou que o material de guerra roubado foi seleccionado por quem tinha "conhecimento do conteúdo dos paióis".

 

Face ao incidente, a segurança foi reforçada nos paióis com "o aumento de efectivos" e com "patrulhas mais robustas", assinalou, referindo que "não se permite ajuizar" sobre a falta de funcionamento do sistema de videovigilância do quartel, parado há dois anos.

 

O chefe do Estado-Maior do Exército frisou que os planos de segurança e vigilância foram cumpridos.

 

O ministro da Defesa assumiu hoje a "responsabilidade política" pelo roubo em Tancos, depois de os partidos políticos terem criticado o sucedido, com o CDS-PP a exigir a audição parlamentar de Azeredo Lopes e o PSD a pedir também para ser ouvido o general Rovisco Duarte.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

A incompetência, o dolo e o desleixo subjacentes aos escândalos de Tancos e Pedrógão são reflexo da incompletude das reformas sugeridas a Portugal pelo FMI, a União Europeia e a própria OCDE. Se o excedentarismo continuadamente subsidiado e o sobrepagamento bem acima do preço de mercado, têm a primazia por parte do poder político e da sociedade em geral, com prejuízo para o investimento reprodutivo, a inovação e o empreendedorismo capazes de criar valor, Tancos, Pedrógão e o 6 de Abril de 2011, serão sempre o corolário lógico de tais opções políticas e desígnios populares.

comentários mais recentes
Juca Há 1 semana

E tem toda a razão. Têm que ser rapidamente demitidos para que tenham tempo para a venda do material.

Anónimo Há 2 semanas

Para salvar o excedentarismo de carreira ou a alocação vitalícia de factor produtivo trabalho sem qualquer procura e justificação no sector público o governo PS reduziu o investimento público em áreas muito importantes com crescente procura e incontestável pertinência. Eis aqui uma dessas áreas. É isto e o INEM à noite em muitas cidades que está a ser desmantelado por esse país fora... Viva a Frente Comum. Viva o socialismo lusitano e o fim da austeridade.

Anónimo Há 2 semanas

A incompetência, o dolo e o desleixo subjacentes aos escândalos de Tancos e Pedrógão são reflexo da incompletude das reformas sugeridas a Portugal pelo FMI, a União Europeia e a própria OCDE. Se o excedentarismo continuadamente subsidiado e o sobrepagamento bem acima do preço de mercado, têm a primazia por parte do poder político e da sociedade em geral, com prejuízo para o investimento reprodutivo, a inovação e o empreendedorismo capazes de criar valor, Tancos, Pedrógão e o 6 de Abril de 2011, serão sempre o corolário lógico de tais opções políticas e desígnios populares.

uma República das Bananas Há 2 semanas

Portugal é uma República das Bananas governada por Chimpanzés! Há países Africanos mais credíveis e eficientes que esta República das Bananas Europeia!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub