Lei Laboral Patrões admitem salário mínimo acima de 540 euros com forte travão à lei laboral

Patrões admitem salário mínimo acima de 540 euros com forte travão à lei laboral

Os patrões admitem um salário mínimo acima de 540 euros se o Governo travar alterações laborais. Mas exigem que as garantias sejam imediatas, em vez de ficarem para um futuro acordo de médio prazo, como chegou a sugerir o ministro.
Patrões admitem salário mínimo acima de 540 euros com forte travão à lei laboral
Miguel Baltazar/Negócios
Catarina Almeida Pereira 19 de dezembro de 2016 às 18:16

As quatro confederações patronais admitem um acordo que preveja o aumento do salário mínimo para mais de 540 euros desde que, além de alargar o desconto na taxa social única, o Governo se comprometa desde já (e não apenas num futuro acordo de médio prazo) a não alterar os principais aspectos da legislação laboral.

O documento integral que serve de base à reunião desta segunda-feira, consultado pelo Negócios, refere que um aumento do salário mínimo que ultrapasse o valor acima referido implica, no entendimento da CAP, CCP, CIP e CTP, a "manutenção do quadro legal vigente em matéria laboral" num leque muito abrangente de matérias, incluindo a organização do tempo de trabalho – conservando a adaptabilidade e o regime de banco de horas que o Governo se comprometeu a rever – as compensações por trabalho suplementar, período de férias e "formas flexíveis de contratação".

Implica ainda que não haja alterações ao regime vigente da negociação colectiva, "nomeadamente ao que concerne ao espaço negocial, princípio geral da negociabilidade, vigência, sobrevigência e caducidade das convenções colectivas".

O Governo tem revelado interesse em restringir os contratos a prazo e em diferenciar a taxa contributiva a cargo dos empregadores que mais promovem a rotatividade, penalizando em três pontos percentuais a TSU dos empregadores que contratam a prazo.

Os partidos à esquerda no Parlamento pedem a revogação de outras medidas do programa de ajustamento, mas nas últimas semanas o primeiro-ministro e o ministro do Trabalho fecharam ou voltaram a fechar a porta à redução dos dias de férias, a alterações no pagamento de trabalho suplementar e a alterações legislativas relacionadas com a caducidade da contratação colectiva.

Desta forma, os patrões tentam obter garantias sobre a legislação laboral em simultâneo com a discussão do salário mínimo, evitando deixar essa questão para mais tarde, ao contrário do que chegou a defender o ministro Vieira da Silva, que separou as duas matérias.

Para os patrões, o aumento acima dos 540 euros implicaria ainda "o início de um processo negocial de médio prazo que conduza a um novo contrato social entre o governo e os parceiros sociais" que suporte "as mudanças estruturais entre o governo e os parceiros sociais".

Patamar mínimo de 540 euros exige desconto de 1% na TSU

As confederações patronais têm argumentado que os critérios definidos no acordo de Janeiro suportam apenas um aumento para os 538 euros, o que fica ainda mais longe dos 557 euros acordados com o Bloco de Esquerda.

Mesmo o aumento para 540 euros só é aceite com medidas que na prática atenuem os custos das empresas com o salário mínimo, como um desconto na TSU correspondente a 1% da taxa social única a cargo dos empregadores (e não os actuais 0,75%) e um alargamento da abrangência da medida.

Perante as dúvidas sobre a formas como outras componentes da remuneração, além do salário base, têm sido consideradas para efeitos de atribuição deste desconto da TSU, os patrões propõem que sejam abrangidos os empregadores que paguem "um valor máximo correspondente à remuneração mínima garantida que vier a ser aprovada, majorada em 50%".

Tal como já é habitual, também pedem o ajustamento dos contratos públicos ao novo valor e um "compromisso de especial apoio" aos centros de formação geridos pelos parceiros com assento em concertação social.

E o acordo que pede Marcelo? 

É num documento separado que os patrões enunciam as matérias que defendem que podem constar de um acordo a médio prazo, entre o período de 2017 e 2020. O eventual acordo para o salário mínimo de 2017 é assim separado da negociação de um eventual acordo de médio prazo.

Propõem que nos anos seguintes o aumento do salário mínimo fique dependente da evolução da "produtividade", a "inflação" e "a competitividade". O compromisso do Governo é que suba para 600 euros na legislatura.

Ao nível do IRC, é proposta "a retoma do calendário de redução da taxa" que estava previsto em 2013, "incluindo o objectivo de eliminação das derramas.

Além disso, propõem a agilização da capitalização, a aceleração do pagamento das dívidas às empresas ou a revisão do regime de subsídio de desemprego para empresários.




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 21.12.2016


CORTAR JÁ, NAS PENSÕES ATUAIS DOS LADRÕES FP / CGA

Os beneficiários da CGA não descontaram nem para metade da pensão que recebem.

O buraco anual de 4 600 milhões de €, da CGA, é sustentado pelos impostos cada vez mais altos suportados pelos trabalhadores e pensionistas do privado.

comentários mais recentes
Anónimo 21.12.2016


CORTAR JÁ, NAS PENSÕES ATUAIS DOS LADRÕES FP / CGA

Os beneficiários da CGA não descontaram nem para metade da pensão que recebem.

O buraco anual de 4 600 milhões de €, da CGA, é sustentado pelos impostos cada vez mais altos suportados pelos trabalhadores e pensionistas do privado.

fred 21.12.2016

Isto os europeus nem sonham. Tecido empresarial? País moderno? Nem na China se sobrevive com 500 euros. Estamos no século XXI e o país ainda nem entrou no XX. Os patrões não veem que pagando mais vendem muito mais? Os socialistas deviam mudar de nome: entre todos os partidos, são a b*sta mor.

Anónimo 20.12.2016

Ou seja... para dar uns euritos a quem recebe o ordenado minimo, agora aceita-se que a lei laboral que afeta TODOS (menos a função publica, esses são especiais) não mude!
ou seja, toda a gente que trabalha no privado irá ter leis cada vez mais injustas...
isto tudo para o gajo que vê vacas a voar comprar mais uns votos!

Gaspar Miranda 19.12.2016

Serão sempre chulos.

ver mais comentários
pub