Outros sites Cofina
C-Studio
Mais informações

C•Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do universo Cofina.
Aqui as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Notícia

O ouro não deveria valorizar em alturas de crise?

Nesta análise, vamos olhar para o ouro de um ponto de vista mais fundamental e perceber se ainda há espaço para novas valorizações no preço do metal precioso.

27 de Maio de 2022 às 10:12

O início da invasão russa na Ucrânia desencadeou uma recuperação do preço do ouro, mas foi apenas de curto prazo. O preço reagiu acima da marca dos 2000 dólares por onça e esteve a ser negociado perto dos seus máximos históricos. No entanto, os compradores não conseguiram manter o preço elevado e este acabou por cair para mínimos de fevereiro – desde antes do início da invasão russa. A subida das yields americanas, bem como o fortalecimento do dólar americano, tem sido uma das principais razões por trás das quedas do ouro. Os aumentos das taxas de juro encorajam os investidores a procurarem alternativas ao ouro. No entanto, nesta análise, vamos olhar para o ouro de um ponto de vista mais fundamental e perceber se ainda há espaço para novas valorizações no preço do metal precioso.



Queda significativa na procura de joias


A procura de joias é um dos pilares principais do mercado do ouro e representa cerca de 50% da procura total de ouro. Embora o mercado do ouro seja principalmente impulsionado pela procura de investimento a curto prazo, não se pode ter uma visão de longo prazo sobre o ouro sem ter em consideração a procura de joias. O mercado da joalharia caiu 30% durante o primeiro trimestre, principalmente devido à queda de cerca de 50% da procura por parte da China, bem como a uma redução na procura da Índia. A procura trimestral caiu abaixo da média de longo prazo, na sequência do último trimestre do ano de 2021 que havia sido bastante forte.





A procura de joias diminuiu significativamente no primeiro trimestre de 2022 e esteve abaixo da média de longo prazo. No entanto, a procura global de ouro aumentou durante o primeiro trimestre de 2022, principalmente devido a uma forte procura de investimentos. Mas será que esta tendência é para se manter?
Fonte: Bloomberg, WGC, XTB Research



Investidores voltam a procurar o ouro como uma alternativa de investimento


A procura de ouro como investimento manteve-se firme no primeiro trimestre do ano, contudo, a situação não é tão clara quando analisamos com detalhe o último trimestre. O aumento da procura foi impulsionado principalmente pela procura de ETF, enquanto a procura de ouro físico – barras e moedas – diminuiu. O aumento na procura de ETF foi muito provavelmente impulsionado pelo aumento da procura de ouro a curto prazo, no rescaldo da invasão russa na Ucrânia. Os ETF tendem a vender muito ouro em períodos de subida das taxas de juro, pelo que, em termos fundamentais, esta poderá ser uma condicionante para os preços do metal precioso.


Descarregue gratuitamente o e-book da XTB e fique a conhecer melhor a situação no mercado do ouro em 2022





A procura de investimento e a procura por parte dos bancos centrais continuam a recuperar.
Fonte: Bloomberg, WGC, XTB Research



Quebra da mineração de ouro


O último relatório trimestral do Conselho Mundial do Ouro mostrou uma conclusão interessante: houve uma quebra na extração de ouro. A quebra na extração deste metal precioso está relacionada com as novas restrições pandémicas na China. A China deixou de ser o principal país de extração de ouro, tendo a Austrália ficado com o primeiro lugar. No entanto, a China veio dizer que a produção retomou aos níveis anteriores, pelo que a quebra poderá ter sido de curta duração. A situação na China também tem um impacto na joalharia e na procura de investimento em ouro. As autoridades de Xangai anunciaram recentemente que algumas restrições começarão a ser levantadas e que os negócios serão autorizados a reabrir.


O "regresso à normalidade" na China deve também apoiar o ouro de um ponto de vista fundamental. No entanto, é difícil adivinhar quando é que a pandemia e as restrições terminarão na China.





A procura de ouro excedeu a oferta no primeiro trimestre de 2022 e a média móvel de 4 trimestres da soma do saldo continua a diminuir.
Fonte: Bloomberg, WGC, XTB Research



Devemos ter medo dos aumentos sobre as taxas de juro?


Os aumentos das taxas de juro levam os bancos a subir os juros dos depósitos e a aumentar as yields das obrigações. Neste cenário, os investidores poderão ajustar as suas estratégias de investimento no mercado, especialmente em momentos de incerteza sobre a inflação. Por outro lado, existem expectativas sobre a forma como as taxas elevadas podem aumentar. Os analistas esperam que as taxas de juro nos EUA permaneçam perto da faixa dos 2,5-3,0%, embora alguns digam que a taxa de referência poderá aproximar-se dos 5%. Por outro lado, as yields das obrigações a 10 anos também devem seguir a tendência e poderão aproximar-se do valor das taxas de juro de referência. Dito isto, o preço das obrigações poderá voltar a cair, sendo que o gráfico das TNOTE poderá captar a atenção dos investidores.





A situação atual no mercado do ouro começa a ser parecida com o período de 2011-2013. É por isso que é crucial que os compradores consigam recuperar o controlo na zona de suporte marcada pelos 1700 dólares. No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer até que este nível seja alcançado. Por outro lado, uma queda significativa nas yields das obrigações poderia provocar uma forte recuperação no ouro.
Fonte: xStation5





Texto escrito por XTB




A XTB S.A. não se responsabiliza por decisões de investimento que se baseiem em informações contidas nestes conteúdos. Nenhuma da informação aqui contida deverá ser entendida como recomendação de investimento, garantia de lucro ou de risco significativamente menor. Os investimentos baseados no uso de produtos derivados com alavancagem financeira são, por natureza, especulativos e poderão resultar tanto em lucros como perdas significativas. O desempenho passado não é necessariamente indicativo de resultados futuros, e qualquer pessoa que atue com base nesta informação fá-lo inteiramente por sua conta e risco. Os investimentos em instrumentos financeiros apresentam um risco elevado.