Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Museus dos EUA vendem obras de Picasso e Warhol para sobreviver

O duplo abalo gerado pela covid-19 e pelo movimento de justiça racial afetou os locais de trabalho, escolas e questões de saúde. Mais discretamente, os museus dos EUA também estão a sofrer as consequências e a ser forçados a vender obras premiadas e a ampliar a definição do que é a arte de qualidade.

EPA
Bloomberg 17 de Outubro de 2020 às 20:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Durante várias gerações, os museus operaram sob regras rígidas. Aceitavam doações que poderiam ser deduzidas de impostos e compravam obras de artistas de renome — a maioria brancos, do sexo masculino, europeus ou americanos. Em deferência ao aspeto sagrado da sua missão, os museus só tinham permissão para vender uma obra para comprar outra — não para pagar a conta da luz ou o salário dos funcionários responsáveis pela conservação do acervo.

Em abril, depois de museus de São Francisco ao estado do Maine terem fechado as portas devido à pandemia, a Associação de Diretores de Museus de Arte anunciou que, durante dois anos, as obras podem ser vendidas e os recursos aplicados em "cuidados diretos", dando a cada instituição a possibilidade de definir o que isso significa.

O impacto tem sido profundo. Os museus não estão apenas a vender obras que estavam fora do mercado há muito tempo, como também estão a adquirir peças feitas por mulheres, negros e latinos. A expectativa é conquistar novos visitantes que encontrarão representatividade nas obras espalhadas pelos seus corredores silenciosos. Por outras palavras, estão a tentar transformar a crise em oportunidade.

Há verdadeiras obras-primas a chegar ao mercado. Esta semana, na Christie’s, o Museu de Arte Everson, que fica em Syracuse, no estado de Nova Iorque, vendeu a sua única pintura de Jackson Pollock por 13 milhões de dólares, e a instituição de Springfield, Massachusetts, vendeu um quadro de Picasso por 4,4 milhões de dólares. A única obra de Lucas Cranach do Museu do Brooklyn vai a leilão na próxima semana, enquanto o Museu de Arte de Baltimore tenta encontrar compradores para a monumental Última Ceia de Andy Warhol por cerca de 40 milhões de dólares.

"Este é realmente um momento sem paralelo", disse Brent Benjamin, presidente da Associação de Diretores de Museus de Arte e diretor do Museu de Arte de Saint Louis. Segundo ele, crises financeiras anteriores, como a de 2008, foram difíceis, "mas nunca vimos nada parecido com isso".

Os museus estão a reabrir lentamente, mas com quadro de pessoal reduzido — o Metropolitan eliminou 400 empregos durante a pandemia — e menos capacidade. Não podem realizar eventos presenciais para arrecadação de recursos nem aprofundar relacionamentos organizando viagens para exposições e feiras internacionais. Os estabelecimentos estão a vender para sobreviver e as casas de leilões Sotheby’s e Christie’s estão bastante ocupadas.

As obras são extremamente desejáveis porque são novas no mercado, historicamente significativas e vêm das coleções mais elogiadas.

Ver comentários
Outras Notícias