Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BE considera incompreensível veto do Presidente e diz que decisão está do lado do Governo

O líder parlamentar do BE considerou "incompreensível" que o Presidente da República tenha feito um "veto político" de um diploma sem problemas jurídicos nem constitucionais, e disse que a decisão agora "está do lado do Governo".

Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 30 de Setembro de 2016 às 19:49
  • Partilhar artigo
  • 27
  • ...

"A lei estava no ponto correcto. O que para nós é incompreensível é que o Presidente da República tenha vetado a lei não por problemas jurídicos, não por problemas constitucionais, mas por visão política sua. Por isso, este é um veto político, por divergir da necessidade que temos de levantar o sigilo bancário para garantir o combate a fraude e evasão fiscal", afirmou Pedro Filipe Soares.

 

Numa reacção ao veto do Presidente da República ao decreto do Governo que obriga os bancos a informar a Autoridade Tributária sobre as contas bancárias de residentes em território nacional com saldo superior a 50 mil euros, o líder da bancada bloquista sublinhou que agora "a decisão está do lado de quem é detentor do decreto e de quem é o detentor da iniciativa política", o Governo.

 

"Se o Governo estiver verdadeiramente com vontade de combater a fraude e evasão fiscal com levantamento de sigilo bancário para contas superiores a 50 mil euros, terá na Assembleia da República uma maioria parlamentar capaz de o fazer, da qual o BE é uma pedra essencial", declarou.

 

Para o Bloco, "a proposta apresentada pelo Governo garante a privacidade necessária de cada um e cada uma, mas garante também os mecanismos urgentes para que a Autoridade Tributária possa validar mecanismos urgentes para validar divergências entre rendimentos e património em contas bancárias".

 

"Não tivemos nenhum contacto com o Governo prévio ao envio para o Presidente da República, não tivemos nenhuma negociação com o Governo sobre o seu conteúdo. É um processo político que está a ser conduzido pelo Governo e que envolveu agora o Presidente da República", afirmou Pedro Filipe Soares.

 

O Presidente da República justificou este veto considerando que é de uma "inoportunidade política" evidente, num momento de "sensível consolidação" do sistema bancário. "A decisão quanto a este decreto baseia-se, antes do mais, na sua patente inoportunidade política", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

 

Numa mensagem dirigida ao primeiro-ministro, divulgada na página da Presidência da República na Internet, o chefe de Estado acrescenta: "Vivemos num tempo em que dois problemas cruciais, entre si ligados, dominam a situação financeira e económica nacional. O primeiro é o de que se encontra ainda em curso uma sensível consolidação do nosso sistema bancário".

Ver comentários
Saber mais Presidente da República Pedro Filipe Soares Autoridade Tributária Marcelo Rebelo de Sousa política sigilo bancário
Outras Notícias