Economia Centeno não vê moeda única funcionar sem Fundo Comum de Depósitos

Centeno não vê moeda única funcionar sem Fundo Comum de Depósitos

O ministro português das Finanças e líder do Eurogrupo defende que a União Económica e Monetária não pode funcionar correctamente sem a adopção de um Fundo Comum de Depósitos bancários.
Centeno não vê moeda única funcionar sem Fundo Comum de Depósitos
Miguel Baltazar/Negócios
David Santiago 01 de março de 2018 às 18:25
Mário Centeno insiste na necessidade de aprofundar a integração no âmbito da União Económica e Monetária e, nesse sentido, defende a importância de concluir a união bancária desde logo através da constituição de um fundo europeu de depósitos bancários, sem o qual o ministro português das Finanças considera que a moeda única não poderá funcionar correctamente. 

Durante a iniciativa da Comissão Europeia realizada no ISEG, em Lisboa, a propósito do ciclo de debates com os cidadãos europeus, desta feita centrado na União Económica e Monetária, o também presidente do Eurogrupo afirmou não conseguir pensar "na moeda única sem um Fundo Comum de Depósitos".

Numa conferência co-organizada pelo Negócios que conta também com a participação do vice-presidente da Comissão Europeia com tutela do euro, Valdis Dombrovskis, Centeno defendeu que "a Europa não é uma realidade distante", pelo que deve interessar a todos.

 

Apesar de considerar que "o euro saiu mais forte da crise", Mário Centeno defende que tal não é razão suficiente para não prosseguir políticas de aprofundamento da integração no bloco da moeda única.

 

Considerando que "países como Portugal" fizeram o que tinham a fazer ao "corrigir os seus desequilíbrios", o governante luso sustentou que "há algumas coisas que ainda precisamos fazer".

 

Entre as medias mais "urgentes", Centeno destaca a importância de avançar na redução e partilha do risco por parte dos países-membros do euro.






A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub