Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

António Costa desvaloriza impacto da redução futura de pensões por causa da TSU

António Costa, em entrevista ao Jornal da Noite, na SIC, esta quinta-feira, comentou algumas medidas do programa eleitoral do Partido Socialista. O líder do PS defendeu que o país deve abandonar "experimentalismos" e apostar em medidas que resultam.

Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 25 de Junho de 2015 às 21:23
  • Assine já 1€/1 mês
  • 124
  • ...

António Costa voltou a admitir esta quarta-feira que a redução da TSU dos trabalhadores poderá ter como contrapartida a redução das pensões atribuídas a partir de 2027, mas em entrevista à SIC desvalorizou o impacto desta redução.  

 

Questionado sobre se os trabalhadores podem recusar a redução da TSU, de forma a evitarem o futuro corte nas pensões que está descrito no relatório que serviu de base ao programa eleitoral do PS, o secretário-geral do partido respondeu que não.

 

"Não pode recusar mas não há necessariamente essa penalização", respondeu António Costa. "As pensões que estão a pagamento neste momento não são de forma alguma afectadas, as pensões que estão a menos de cinco anos de formação não são afectadas, e mesmo nas futuras após 2027 só num caso excepcionalmente negativo de nada funcionar é que poderão ser afectadas entre 1.25% e 2,6% relativamente ao montante da pensão", disse.

 

"Agora, se for ver as contas que estão feitas, o aumento de rendimentos que hoje a redução da contribuição dos trabalhadores assegura" comparado "com o que é uma eventualíssima redução de rendimentos futuros", é "largamente compensada", acrescentou.

 

Sobre a proposta de redução da TSU a cargo dos patrões e a sua sustentabilidade no sistema, António Costa explica que não se trata de reduzir a TSU, mas de "diversificar as fontes de financiamento da Segurança Social, substituindo a exclusividade da TSU com a incidência no IRC."

 

A proposta do PS defende que um trabalhador não pode recusar a redução da TSU, mas o líder socialista garante que "as pensões não serão afectadas". António Costa acrescenta ainda que o aumento do rendimento compensará a longo prazo um corte no futuro.

 

Sobre a idade legal da reforma, Costa garantiu que não vai mexer na lei. No entanto, prevê "o aumento da idade legal da reforma". O deputado socialista diz que a solução é recorrer ao aumento do número de empregos para equilibrar as contas da Segurança Social.

Costa defendeu ainda que o país deve abandonar "experimentalismos" e apostar em medidas que resultam.

Sobre a medida central do programa eleitoral do PS, Costa salientou que o emprego deve ser a prioridade e "a base da coesão social". "A questão fundamental é o relançamento da economia e isso depende de devolver às famílias portuguesas rendimento", disse.


Questionado sobre o papel empregador do Estado, Costa divide a responsabilidade numa "acção equilibrada e conjunta do Estado e empresas", sublinhando a dificuldade de financiamento das empresas. Quanto a um alívio dos impostos, o líder socialista responde "sim", mas "na medida do possível e não para toda a gente".


Sobre a Grécia e a possibilidade de um 'Grexit' [saída da Grécia da Zona Euro], Costa considera que o problema da economia grega não é exclusivo do governo de Alexis Tsipras, mas da Europa. "O problema está na falta de convergência da economia", conclui.

Actualizado às 13.15 de sexta-feira com mais declarações de António Costa sobre os impactos da redução da TSU dos trabalhadores

Ver comentários
Saber mais António Costa PS Governo política
Mais lidas
Outras Notícias