Economia Unidade da Fitch revê em alta estimativas de crescimento para Portugal em 2018 e 2019

Unidade da Fitch revê em alta estimativas de crescimento para Portugal em 2018 e 2019

Apesar de antecipar uma "desaceleração ligeira" do crescimento da actividade económica nos próximos dois anos, o BMI Research está mais optimista, depois de o PIB ter crescido 2,7% no ano passado.
Unidade da Fitch revê em alta estimativas de crescimento para Portugal em 2018 e 2019
Miguel Baltazar/Negócios
Rita Faria 06 de março de 2018 às 09:44

O BMI Research, uma unidade do grupo Fitch, reviu em alta as suas projecções para o crescimento da economia portuguesa, depois de ter sido confirmada a subida de 2,7% do PIB em 2017, acima do que esperavam os analistas.

 

Antecipando que a actividade económica vai "desacelerar ligeiramente" em 2018 e 2019, o BMI Research melhora as suas estimativas para este ano de 1,9% para 2,3%, e para 2019, de 1,3% para 1,9%.

 

"A actividade económica portuguesa desacelerará ligeiramente em 2018-19, depois de um crescimento do PIB em 2017 que foi o mais elevado em várias décadas", sublinham os especialistas, numa nota a que o Negócios teve acesso. "No entanto, o investimento fixo e o consumo privado permanecerão relativamente dinâmicos, uma vez que a confiança dos consumidores e das empresas continuam fortes".

 

No relatório, divulgado esta terça-feira, a unidade da Fitch antecipa que a subida do investimento fixo vai desacelerar de 9%, no ano passado, para 5% este ano e 3% em 2019, ainda que deva continuar a ser um dos maiores impulsionadores do crescimento em cada um dos anos.  

 

Também o investimento das empresas deverá permanecer "forte", assim como o mercado imobiliário, que continua a "todo o vapor", com a construção a crescer 9,2% em 2017, aponta o BMI Research.

 

"A estabilidade política, a recuperação do crescimento em Portugal e na Zona Euro e os baixos custos operacionais relativamente aos pares ajudaram a impulsionar as intenções de investimento", sublinham os especialistas. "Vários grandes investimentos foram anunciados em Portugal desde 2017", acrescenta o relatório, destacando o centro da Google em Oeiras,

 

Maior consolidação em 2018

 

No "outlook" divulgado esta terça-feira, o BMI Research alerta que, apesar das perspectivas optimistas, a "prudência" nas políticas públicas vai continuar a desempenhar um papel importante na confiança das empresas.

 

Lembrando que a diminuição da dívida e do défice levaram as agências de notação financeira a melhorar o rating de Portugal, o BMI Research antecipa uma maior consolidação orçamental nos próximos dois anos, com o défice a cair para 1,3% do PIB em 2018.

 

A unidade da Fitch refere ainda que o previsível aumento dos juros, a nível global, coloca riscos ao ambiente favorável que tem sido propiciado pelos bancos centrais, mas não antecipa uma subida do prémio de risco de Portugal, desde que as políticas continuem no bom caminho.




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 06.03.2018

Tenho muito saibro contaminado nas traseiras do meu quintal. Ninguém, pessoa ou organização, quer aquilo para o que quer que seja. Não presta para nada. Até os vizinhos fugiram para longe só para não viverem perto daquilo. Contacto os meus amigos do PS em Lisboa e peço para eles decretarem que todo o cidadão tem que ter na sua posse 50 kg do meu saibro até ao final do ano, guardado num cofre da CGD. Criei um mercado com procura, decretada é certo, e completamente distorcido, a partir do nada, e para o qual sou o único ofertante. Os meus amigos do PS criam uma série de carreiras de supervisão e fiscalização de todas as actividades relacionadas com a compra, transporte e acomodação do meu "produto" por parte de todos os cidadãos do país. Como se não bastasse, o governo decreta que todas as autoestradas, IPs e ICs têm de ser reconstruídas recorrendo ao meu saibro. A economia nesse ano cresce 25%, o desemprego é nulo e o melhor é que eu enriqueço 250000%. Bem-vindos ao socialismo tuga.

comentários mais recentes
Ignorante PS, a divida paga-se. 06.03.2018

se a divida aumentou em 2017 em 16 mil milhões, quer dizer que do aumento do PIB de 2.7%, 1% veio direto da divida.

Ou seja, na melhor das hipoteses, o crescimento seria 1.7%. É estupido crescer com divida, como agora.

Anónimo 06.03.2018

É "a" BMI Research, não "o" BMI Research.

anónimo burro ignorante,foi de 1.8% em 2015 06.03.2018

e não de 1.6%

Anónimo 06.03.2018

O Renzi previa fazer uma reforma séria da administração pública que incluía modernizar e liberalizar o mercado laboral e os dos restantes factores produtivos, à imagem e semelhança dos nórdicos. O anarco-sindicalismo, que é transversal à classe média de todo o sul da Europa, ficou logo de pé atrás e como tem poucos escrúpulos na hora de meter a mão no dinheiro dos outros, sejam eles contribuintes ou consumidores, deu em debandar a passo largo para a esquerda e para a direita, pouco se importando com os extremismos de um ou do outro lado.

ver mais comentários
pub