Educação Professores em greve entre 13 e 16 de Março

Professores em greve entre 13 e 16 de Março

O protesto decorrerá faseadamente, por regiões e é convocado por 10 estruturas sindicais, incluindo a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e a Federação Nacional da Educação (FNE).
Professores em greve entre 13 e 16 de Março
manifestação professores manif
Lusa 15 de fevereiro de 2018 às 18:13

Os professores vão estar em greve entre 13 e 16 de Março, confirmaram hoje organizações sindicais do sector em conferência de imprensa junto ao Ministério da Educação, em Lisboa.

 

O protesto decorrerá faseadamente, por regiões e é convocado por 10 estruturas sindicais, incluindo a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e a Federação Nacional da Educação (FNE).

A paralisação vai decorrer no dia 13 na região de Lisboa e na Madeira, a 14 no Sul, a 15 no centro do país, e a 16 no Porto e nos Açores.

O pré-aviso será entregue depois de uma reunião a realizar em 28 de fevereiro com a tutela, anunciou o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, em nome das estruturas sindicais.

"O problema não são reuniões, temos tido reuniões, o que falta é a luta dos professores para pressionar o ministério" a resolver as questões que têm estado em cima da mesa, disse o dirigente sindical.

Os professores assumem esta forma de luta em protesto pela falta de avanços em questões como o reposicionamento na carreira, a recuperação do tempo de serviço, os horários de trabalho e um regime específico de aposentação.

Hoje entregaram no Ministério da Educação um parecer jurídico a sustentar a posição que defendem para o reposicionamento na carreira.

Depois de um compromisso assumido com o Ministério da Educação no ano passado, os sindicatos afirmam que as questões relacionadas com a redefinição dos horários (componente letiva e não letiva) e a criação de um regime especial de aposentação estão "a zeros".

A posição das organizações foi transmitida depois uma nova ronda negocial inconclusiva com o Ministério da Educação.

 




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Mamadeira 16.02.2018

As progressões automáticas tem que ser extintas progridam como os outros com avaliação de desempenho e com quotas que Isto de automaticamente de 4 em 4 anos é mamadeira

Invicta 15.02.2018

Até às próximas eleições, será greve dia sim, dia não. O PCP/CGTP pouco se importa com quem faz greve. O seu objetivo é não ficar nos esquecimento.

Anónimo 15.02.2018

A vida de professor não é fácil. Correm o país de lés a lés para fazer umas horitas aqui e outras ali. Alguns pagam para trabalhar, outros chegam ao fim do mês sem um vintém. Vejo aqui gente a comentar que não faz a mínima ideia das dificuldades destes profissionais. Lutem. Estou solidário ...

Ei-lo, em pleno, a cumprir decisões do PCP 15.02.2018

Aí está o agitador e parasita MÁRIO NOGUEIRA, ao serviço do PCP, via CGTP, a destabilizar o Ensino das nossas crianças.
De notar que este parasita - supostamente "professor" - é pago com o nosso dinheiro, o dinheiro dos contribuintes, que somos todos nós, e não dá uma aula, uma única aula.

ver mais comentários
pub