União Europeia Bruxelas quer "desviar" fundos europeus para países do Sul e Portugal pode beneficiar

Bruxelas quer "desviar" fundos europeus para países do Sul e Portugal pode beneficiar

O Financial Times escreve que a Comissão Europeia planeia apresentar uma proposta para o próximo quadro comunitário em que dará menor prioridade à ajuda aos países menos desenvolvidos da Europa Central e do Leste para beneficiar os países mais afectados pela crise, entre os quais a Grécia, Espanha e Portugal.
Bruxelas quer "desviar" fundos europeus para países do Sul e Portugal pode beneficiar
Paulo Vaz Henriques/Lusa
David Santiago 23 de abril de 2018 às 11:08

A União Europeia está a ponderar canalizar dezenas de milhares de milhões dos fundos europeus do próximo quadro comunitário para apoiar os países mais penalizados pela crise financeira, escreve o Financial Times dando como exemplo Estados do Sul da Europa tais como a Grécia, Espanha, Itália ou mesmo França.

 

Portugal poderá ser também um dos beneficiados já que foi um dos países mais afectados pela crise das dívidas soberanas, tendo mesmo beneficiado de um programa de assistência financeira.  

 

Apesar da provável redução no orçamento comunitário decorrente da saída britânica da UE, que implica um buraco de 10 mil milhões de euros por ano já a partir de 2021, os países do Sul podem beneficiar da intenção de Bruxelas de fazer depender a atribuição de fundos ao compromisso dos Estados com os valores da União, desde logo o respeito pelo Estado de Direito, o que penalizaria os quatro países do Grupo de Visegrado dadas as políticas centralizadoras adoptadas pelos respectivos governos.

Desta forma, a Polónia (maior beneficiário líquido do quadro ainda em vigor), a Hungria, a República Checa e a Eslováquia poderiam ver cair as receitas provenientes do orçamento comunitário. Já este mês, o Senado do parlamento polaco aprovou um conjunto de emendas que visam suavizar a reforma do sistema judicial que Bruxelas considera colocar em causa a separação de poderes e que agrava o risco de governamentalização da Justiça, em especial do Tribunal Constitucional. Estas alterações foram encaradas como uma tentativa de Varsóvia evitar cortes na alocação de fundos europeus para o país. 

Esta alteração, adianta o FT, deverá constar do esboço de proposta para o orçamento da União para o quadro 2021-2027 que a Comissão Europeia irá apresentar em Maio e sobre o qual os diferentes Estados-membros terão de se pronunciar. Nesta proposta a Comissão pretende imprimir uma reformulação das políticas de coesão que até agora tinha como principal predicado o apoio aos países menos desenvolvidos, mormente os da Europa Central e do Leste.

O objectivo passa por não distribuir os fundos de coesão essencialmente com base nos respectivos produtos nacionais (PIB) e privilegiar uma avaliação de maior espectro considerando critérios como a educação, o desemprego jovem, o nível de inovação ou ainda as migrações, especifica o jornal britânico. 

Portugal corre o risco de ver cair em até 15% o envelope financeiro de cerca de 25 mil milhões de euros obtido no Portugal 2020. No entanto, no acordo assinado na semana passada entre o Governo e o PSD sobre fundos europeus (a par do compromisso sobre a descentralização), ficou definido o objectivo mínimo de assegurar a mesma verba para o Portugal 2030. O primeiro-ministro António Costa declarou entretanto que Lisboa recusará uma redução dos fundos atribuídos por Bruxelas.

Além do Brexit, o próximo quadro comunitário poderá também implicar perdas para os fundos de coesão devido à intenção de Bruxelas alocar meios financeiros para a gestão migratória (Berlim e Paris defendem mais fundos para os países que acolhem mais requerentes de asilo) e à provável necessidade de garantir maiores 
contribuições para os países da Zona Euro tendo em conta as reformas de maior integração que estão em cima da mesa e que serão novamente discutidas na cimeira europeia de Junho. O comissário europeu para o Orçamento, Günther Oettinger, já aludiu à possibilidade de haver redução de "5% a 10%" nos envelopes financeiros atribuídos aos Estados-membros da UE. 

(Notícia actualizada às 11:29)




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Como é possível, que ao longo dos anos tenhamos recebido toneladas de EUROS da comunidade, e não tenha caído nos meus bolsos um único cêntimo ?
Acresce que todo esse dinheiro tem servido para especulações de toda a ordem condicionando a vida a muita gente...
VIL METAL

Mr.Tuga Há 4 semanas

Não percebo ....

Nos tempos dos TROIKOS não havia guita e era preciso apeertar!!!!!!!!!!

Agora com a xuxaria DESPESISTA, não falta guita para desperdiçar com a rapaziada de 1ª: FP!
Vá-se la perceber estes TECNOBUROCRATAS de MIERDA!

Anónimo Há 4 semanas

Penso que estão a desviar o dinheiro para o sitio errado.Andamos sempre de mão estendida e sem vergonha na cara.

pub