Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Grécia "está determinada a rejeitar as propostas da UE"

A Grécia está determinada a rejeitar as últimas propostas da União Europeia para evitar o incumprimento do pagamento da dívida, disseram este domingo dois ministros, incluindo o das Finanças, Yanis Varoufakis, que acrescentou que Atenas não se vai deixar "aterrorizar".

50º - Grécia (57º em 2014)
Bloomberg
Lusa 07 de Junho de 2015 às 17:48
  • Partilhar artigo
  • 18
  • ...

"Foi um movimento agressivo projectado para aterrorizar o Governo (...) sem entender que o Governo grego não pode ser aterrorizado", disse Yanis Varoufakis ao diário Proto Thema.

 

A Comissão Europeia apresentou esta semana em Atenas um documento de cinco páginas de medidas de poupança, incluindo, em particular, um aumento do IVA e cortes nos salários e pensões.

 

Na sexta-feira, o primeiro-ministro Alexis Tsipras já tinha classificado as propostas dos seus parceiros europeus como "absurdas" e explicou que Atenas não aceitaria um acordo que não incluísse a reestruturação abismal da dívida do país.

 

"O documento apresentado ao primeiro-ministro está no limite do insulto", acrescentou Yanis Varoufakis. "Precisamos de reformas, de reestruturação da dívida e de investimento (...) se não temos os três em conjunto não vamos assinar", alertou o ministro das Finanças.

 

Atenas adiou o pagamento de 300 milhões de euros em dívida para com o Fundo Monetário Internacional (FMI) esta sexta-feira, 5 de Junho, e decidiu pagar a restante dívida de uma só vez no final do mês.

 

O Governo grego deve, portanto, conseguir 1,6 mil milhões de euros em três semanas, e que deverá passar por um acordo com seus credores, principalmente o FMI e a União Europeia.

 

Se a Grécia não honrar estes pagamentos até 30 de Junho, entrará em incumprimento e com a ameaça de uma saída da zona do euro.

 

Os gregos, o FMI e a União Europeia travam uma batalha há semanas para que seja implementado um plano austeridade, que determina a a poupança de 7,2 mil milhões de euros, o remanescente que teria de ser pago no outono de 2014, como fazendo parte do plano de assistência internacional implementado em 2010.

 

Os ministros do partido Syriza acreditam que o primeiro-ministro deve convocar eleições antecipadas, em vez de aceitar as medidas de austeridade impostas pelos credores a Atenas.

 

"Não acho que haja muito espaço para um acordo positivo com os credores (...) porque eles têm intenção de submeter" a Grécia, disse por sua vez o ministro da Energia, Panagiotis Lafazanis, ao jornal To Vima. "Eles querem esmagar o país socialmente e humilhar o Governo", acrescentou.

 

Muitos dos compromissos de reforma que estas instituições reivindicam vão contra o que Alexis Tsipras prometeu na campanha eleitoral e contra as intenções mais radicais de alguns membros do seu partido.

 

Sem progressos, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, recusou-se a falar com o primeiro-ministro grego e encontrou-se com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o Presidente francês, François Hollande, no final da tarde.

 

A situação na Grécia vai ocupar grande parte da discussão na Cimeira do G7 na Alemanha, que começou hoje.

Ver comentários
Saber mais Yanis Varoufakis Comissão Europeia Alexis Tsipras Fundo Monetário Internacional Cimeira do G7 na Alemanha União Europeia Grécia FMI Jean-Claude Juncker Angela Merkel
Outras Notícias