Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Conselho de Finanças Públicas diz que pandemia expôs fragilidade do SNS

A pandemia de covid-19 mostrou a fragilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e ameaça a sua sustentabilidade financeira, alerta o Conselho de Finanças Públicas (CFP) no relatório hoje divulgado sobre evolução orçamental do SNS entre 2013 e 2019.

Lusa 21 de Julho de 2020 às 15:10
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
"A atual crise expôs de forma ainda mais premente as diferentes fragilidades financeiras e constrangimentos na capacidade de resposta do SNS às solicitações com que se defronta, e veio colocar a questão de saber se a pressão financeira forte que sobre ele se faz sentir (...) será acompanhada de uma estabilidade de recursos financeiros, de mecanismos de controlo da despesa e de concretização num quadro financeiro de rigor, e de medidas que visem acautelar a sua solidez financeira futura", refere o documento do órgão independente.

Apesar de considerar que o SNS "se soube adaptar às exigências da pandemia sem entrar em rutura" na assistência aos doentes infetados com o vírus SARS-CoV-2, o CFP salienta, porém, que a resposta a outras patologias e comorbilidades existentes e associadas ao envelhecimento demográfico acabou por ser afetada.

"Veio revelar, logo numa primeira fase e entre outras insuficiências, o baixo número relativo de camas de cuidados intensivos por habitante, o reduzido aprovisionamento de material de proteção individual, e a dificuldade em conciliar, nas diversas unidades de saúde, a resposta à pandemia com a continuação e normalidade de prestação de cuidados de saúde nas outras patologias", pode ler-se no relatório.

O défice acumulado de 2.796 milhões de euros entre 2013 e 2019 ou o endividamento junto de fornecedores que ascendia a 1.589 milhões no ano passado colocam, segundo o CFP, "desafios de sustentabilidade financeira que importa ponderar no quadro da definição futura das políticas de saúde e das reformas (ainda por concretizar) no plano da gestão orçamental e financeira das entidades que fazem parte do SNS", a começar pelas unidades de saúde.

O CFP sustenta também no seu relatório que se regista a nível da receita um peso muito elevado das transferências e subsídios correntes face às outras fontes de financiamento previstas (lotarias, apostas mútuas e imposto do jogo; taxas moderadoras; prestações de serviço e concessões; e outras receitas correntes), com um contributo acima dos 92% ao longo do período observado, das quais 99% foram transferências do Orçamento do Estado (OE).

Portugal contabiliza pelo menos 1.697 mortos associados à covid-19 em 48.898 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.
Ver comentários
Saber mais SNS CFP Conselho de Finanças Públicas
Mais lidas
Outras Notícias