Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Empresa de Pedro Nuno Santos e do pai fez contrato com o Estado

Gabinete do ministro defende-se com um parecer da PGR que é anterior à lei em vigor. A sanção prevista nestes casos é a demissão.

Sábado 07 de Outubro de 2022 às 19:56
  • Partilhar artigo
  • 19
  • ...
A Tecmacal, uma empresa parcialmente detida pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, e pelo pai, fez um contrato com o Estado por ajuste direto, o que constitui uma incompatibilidade de acordo com a lei, avança o jornal Observador. O gabinete do ministro citou um parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) que é, no entanto, anterior à lei. A lei prevê que nestes casos a sanção é a demissão.

Segundo o Observador, uma entidade pública de São João da Madeira fez um ajuste direto com a Tecmacal no valor de 19 mil euros para a compra de equipamentos no setor da marroquinaria. O pai de Pedro Nuno Santos detém 44% do capital da empresa, enquanto o filho detêm 1% do capital da mesma. A lei que estabelece o regime do exercício de funções por titulares de cargos políticos e altos cargos públicos define que uma empresa na qual um titular de um cargo político detenha mais de 10% da mesma em conjunto com um "ascendente" não pode assinar contratos públicos. A família Santos detém pelo menos 45% da Tecmacal, muito mais do que os 10% previstos na lei.

O ministério de Pedro Nuno Santos, em resposta ao Observador, diz não existir nenhuma incompatibilidade e justifica-se com um parecer da PGR. Contudo, esse parecer foi feito em relação à anterior lei de incompatibilidades e impedimentos e não àquela que foi aprovada em 2019.
Ver comentários
Saber mais Pedro Nuno Santos Tecmacal Estado PGR Observador Procuradoria-Geral da República política
Outras Notícias