Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Montenegro defende implementação de um "índice de felicidade interna bruta"

O candidato à liderança do PSD Luís Montenegro defendeu na segunda-feira a implementação de um "índice de felicidade interna bruta" para medir o bem-estar da população e a situação do país.

Lusa 31 de Dezembro de 2019 às 01:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • 17
  • ...
"Nós estamos em crer que a política tem de ser medida precisamente pelo bem-estar e nós propomos a adesão de Portugal a um novo índice: o índice da felicidade interna bruta (...), que é a avaliação das condições que os cidadãos têm para ter acesso à cultura, ter acesso ao lazer, o tempo que dispõem para a família", disse o ex-líder parlamentar do PSD, durante a apresentação da moção estratégica com que se candidata à liderança do partido.

Luís Montenegro, que discursava para mais de três centenas de apoiantes em Santa Maria da Feira, distrito de Aveiro, entre eles o ex-deputado Hugo Soares e a deputada da Assembleia da República Margarida Balseiro Lopes, que é líder da JSD, afirmou querer "um PSD virado para criar mais riqueza, mas um PSD virado para criar mais felicidade e bem-estar".

"Nunca como hoje este conceito [índice de felicidade interna bruta] foi tão importante (...). Estamos aqui para ser diferentes e para sermos alternativos. Nós temos na nossa militância gente capaz e temos um partido aberto", declarou.

Luís Montenegro frisou a intenção de ser a "oposição exigente", não poupando críticas ao atual líder do PSD, Rui Rio, que se recandidata, ao Governo e ao ministro dos Negócios Estrangeiros.

"O nosso ministro dos Negócios Estrangeiros é useiro e vezeiro em desrespeitar aqueles que criam riqueza e fazem com que muitos tenham uma oportunidade de emprego, e o maior partido da oposição não pode deixar de denunciar, escrutinar, fiscalizar aquilo que os governantes fazem e eu ainda não ouvi o PSD dizer nada sobre isto. Já devia ter dito e devia ter sido o primeiro a dizer", considerou.

Luís Montenegro mostrou-se, à semelhança do que fez na manhã de segunda-feira, depois de ter formalizado a sua candidatura, confiante de que ganhará a Rui Rio "na primeira volta", em 11 de janeiro.

"A mudança no PSD já está em curso e vai proporcionar mesmo uma nova temporada de liderança, de olharmos para Portugal e para um grande partido como é o PSD com uma força cívica e partidária mais capaz de levar à vida de cada pessoa mais bem-estar", referiu.

Além de Montenegro, disputam as eleições diretas, que se realizam em 11 de janeiro, o atual presidente do partido, Rui Rio, e o vice-presidente da Câmara de Cascais, Miguel Pinto Luz.

Na sexta-feira, o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, afirmou que um dos principais problemas das empresas portuguesas é "a fraquíssima qualidade da sua gestão", tendo depois a Confederação Empresarial de Portugal acusado o governante de "denegrir injustamente" a imagem dos empresários.

Na segunda-feira, em declarações à Lusa, Santos Silva disse que não teve intenção de criticar nem denegrir o tecido empresarial português.
Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias