Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

DN: Hospitais penalizados por falhas nos tempos de espera

O Diário de Notícias escreve esta segunda-feira que os hospitais que não cumpram os tempos de espera nas consultas, cirurgias e urgências vão ser penalizados no financiamento. Por outro lado, os que tiverem melhores resultados serão premiados.

Negócios 22 de Fevereiro de 2016 às 11:45
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Os hospitais podem vir a sofrer penalizações financeiras por falharem nos tempos de espera. De acordo com a edição desta segunda-feira, 22 de Fevereiro, do Diário de Notícias, os hospitais que não cumpram os tempos de espera para consultas, cirurgias e urgências vão ser penalizados no financiamento. Por outro lado, haverá prémios para aqueles que tiverem melhores resultados. Os contratos-programa de 2016 para os hospitais (onde são estipuladas regras e metas para os pagamentos) vão conter, pela primeira vez, estes indicadores.

"Segundo o plano estratégico da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), os tempos de espera vão ter de diminuir 25% até 2017, o que significa que, só na cirurgia, poderão aproximar-se da mediana de dois meses", escreve o jornal. Sobre este tema, o Diário de Notícias questionou esta entidade pública que afirma que vão ser implementadas várias iniciativas. Vão ser feitos ajustamentos "da forma como o pagamento da actividade hospitalar – incentivando o cumprimento e penalizando o incumprimento". Assim, refere a ACSS ao Diário de Notícias, podem existir penalizações até 1% do orçamento atribuído em cada ano mas também prémios até 5% quando as metas são cumpridas.

A ACSS explica ainda que estas delimitações já existiam. Porém "é a primeira vez que são incluídos os tempos de espera para efeitos de penalizações. Até aqui, havia penalizações para a baixa produção". O Diário de Notícias explica que os prémios têm sido atribuídos para um bolo de indicadores negociados com os hospitais, onde estão incluídas as cirurgias sem internamento, as dívidas a fornecedores ou o reforço do uso de genéricos.

Além da introdução de penalizações e prémios, o ministério da Saúde, liderado por Adalberto Campos Fernandes, pretende ainda "incentivar o livre acesso dos utentes às entidades que têm melhor e mais atempada resposta e fomentar a competição interna nas instituições do Serviços Nacional de Saúde", escreve o Diário de Notícias. O objectivo é também diminuir os tempos de espera.

Entretanto, o bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, em declarações à Lusa, defendeu que a intenção do Governo em penalizar os hospitais por falhas na redução dos tempos de espera "é nobre", mas devem ser dados mais pormenores sobre como vai ser feito.

"Contudo, a ACSS deve concretizar melhor quais são os caminhos para atingir os objectivos importantes a que se propõe", disse o bastonário à Lusa. José Manuel Silva considera que há vários factores a ter em consideração para que um plano destes "corra bem".

"É importante que os conselhos de administração e direcções de serviço sejam nomeados por critérios de competência. Na verdade, mais importante do que premiar e penalizar é serem identificados os conselhos de administração que eventualmente estejam a gerir de forma menos proficiente", sustentou em declarações à agência noticiosa.

Ver comentários
Saber mais Diário de Notícias Administração Central do Sistema de Saúde ACSS ministério da Saúde Adalberto Campos Fernandes Serviços Nacional de Saúde bastonário da Ordem dos Médicos José Manuel Silva Governo saúde hospitais
Outras Notícias