Segurança Social Cobrança coerciva de dívida da Segurança Social subiu 6,5% em 2018

Cobrança coerciva de dívida da Segurança Social subiu 6,5% em 2018

A Segurança Social cobrou de forma coerciva 644 milhões de euros em dívida no ano passado. O valor total recuperado é o mais alto desde 2013, quando o governo da altura avançou para o regime excecional de regularização de dívidas (RERD).
Cobrança coerciva de dívida da Segurança Social subiu 6,5% em 2018
Pedro Elias/Negócios
Catarina Almeida Pereira 01 de março de 2019 às 17:38

A Segurança Social recuperou 644,4 milhões de euros em dívida através de cobrança coerciva no ano passado, uma subida de 6,5% face ao ano anterior e o valor mais elevado dos últimos cinco anos.

Os dados apresentados pelo Governo em concertação social, que abrangem os últimos sete anos, indicam que o montante arrecadado só foi superior em 2013, graças ao Regime Excecional de Regularização de Dívidas (RERD), que garantiu aos devedores condições especiais.

Em 2016, quando o Governo avançou para o Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES) o montante arrecadado ficou em linha com o que é apresentado para o ano passado.

A dívida "ativa" situou-se no ano passado nos 2,4 mil milhões de euros, numa quebra de 8% em termos homólogos, para o valor mais baixo em pelo menos sete anos.

Os dados apresentados há um mês por Vieira da Silva, no Parlamento, revelaram que as contribuições aumentaram 7,6% em 2018, num acréscimo de cerca de 1,2 mil milhões de euros.

Indicou na altura o ministro que o aumento de 7,6% nas contribuições é essencialmente explicado pelo aumento do emprego (729 milhões de euros), de remunerações (404 milhões de euros) e de "eficiência" (59 milhões), o que, como o Negócios referiu na altura, poderá estar relacionado com a cobrança de dívidas em atraso.




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI